Cidades

Garotas que negociam programa recheado com drogas, são alvos da PCDF

As investigações que duraram dois anos, foram desencadeadas no início desta sexta-feira (19) contra seis grupos criminosos

diario da manha

Seis grupos criminosos especializados no tráfico de cocaína e drogas sintéticas em regiões nobres de Brasília, foram deflagrados pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). Duas dessas quadrilhas são compostas por garotas de programa. As mulheres negociavam com a clientela selecionada, programas sexuais recheados de pó.

As investigações que duraram dois anos, foram desencadeadas no início desta sexta-feira (19). Cerca de 200 policiais cumprem 35 mandados de busca em 10 regiões administrativas. Alguns dos suspeitos que tinham drogas em casa, foram presos em flagrante.

Durante a operação, policiais da 5ª DP apreenderam arma de fogo, munições, além da grande quantidade de cocaína e lança perfume. Segundo as investigações da 5ª DP, não há conexão entre os criminosos, mas todos exercem funções parecidas: distribuição de drogas para traficantes menores e usuários que ficam no bico do esquema.

Nos dois grupos formados por prostitutas, após a negociação do programa com os clientes, as equipes acionam transportadores. Segundo as investigações policiais, na maioria das vezes, a droga é entregue por taxistas.

As garotas de programa, fazem pontos ao longo da W3 Norte e faturam alto negociando horas de sexo unidas a carreiras de cocaína. A PCDF está monitorando também os fornecedores que alimentam o mercado do sexo com pó.

Outros grupos

A operação Rede cumpre mandados de busca e apreensão em Goiânia (GO), Brazlândia, Setor Hoteleiro Norte, Águas Claras, Lago Norte, Recanto das Emas, Candangolândia, Ceilândia, Planaltina e Samambaia. Além de um terceiro grupo especializado na distribuição de drogas na região central de Brasília. Os criminosos entregam nas mãos dos usuários, como um sistema delivery.

O quarto grupo investigado pela PCDF, negocia a venda e a entrega de cocaína para outros traficantes. Dois integrantes deste grupo teriam ligações com facções criminosas perigosas, como o Comboio do Cão e o Primeiro Comando da Capital (PCC), liderada por Marcos Herbas Camacho, o Marcola, que cumpre pena no Presídio Federal de Brasília.

Já o quinto grupo alvo da PCDF também é especializado no tráfico de cocaína para pequenos traficantes.

*Com informações do Metrópoles

Comentários