Cidades

GO: Modelo condenada por golpes na web se entrega à polícia

Mais conhecida como 'Barbie do crime', ela teve prisão decretada pela justiça por ter descumprido sentença

diario da manha

A Polícia Civil de Goiás prendeu a modelo Bruna Cristine Menezes de Castro, de 30 anos, nesta quinta-feira (25) em Goiânia. Mais conhecida como ‘Barbie do crime’, ela teve prisão decretada pela justiça por ter descumprido a pena de prestação de serviços à comunidade, e por não comparecer a audiências após ser condenada por aplicar golpes na web.

Segundo informações do G1, a modelo se apresentou à Delegacia Estadual de Capturas (Decap) após fazer um acordo na quarta-feira (24) com a Polícia Civil. Ela deve ser encaminhada para a Casa do Albergado, onde ficará detida.

Golpes na web

Conhecida pelo apelido de “Barbie do crime”,  Bruna foi presa em 11 de agosto de 2015 por suspeita de estelionato, em Goiânia. De acordo com as investigações, a modelo usava perfis nas redes sociais de venda de produtos importados para aplicar golpes em clientes de Goiás e de outros estados.

Segundo informações da Polícia Civil, mais de 100 pessoas procuraram a polícia alegando terem sido vítimas de Bruna, na época do crime, no entanto, alguns não deram continuidade ao inquérito.

Nas denunciais, os clientes relataram que mesmo após receber o pagamento pelos produtos, ela não entregava as encomendas, alegando problemas de saúde ou familiares. O pagamento das falsas vendas eram recebidos em contas de terceiros. Conforme os investigadores, para isso, ela usou contas bancárias de cerca de dez pessoas, que tinham emprestado os dados a ela.

O ex-namorado dela, Ryan Balbino, que mora no Rio de Janeiro, denunciou que depositou mais de R$ 15 mil para Bruna após a modelo ter fingido ser o próprio pai para dar notícias sobre uma falsa operação para tratar um câncer no útero. O dinheiro seria para ajudar no tratamento da falsa doença.

Condenação

 Em setembro de 2015, Bruna foi condenada a prestar serviços comunitários e ao pagamento de multa de 10 salários mínimos pelos crimes, nos quais ela confessou durante o julgamento.

Mas, ela não cumpriu a pena, e na última quarta-feira (18), o juiz Wilson da Silva Dias, da Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas, expediu o mandado de prisão. Na decisão, ele afirma que a ré encontra-se irregular nas condições legais e judiciais, pois não cumpriu com a pena que lhe foi determinada e nem apareceu nas audiências foram marcadas para esclarecer o descumprimento das sentenças.

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a equipe DM Online www.dm.jor.br pelo WhatsApp (62) 98322-6262 ou entre em contato pelo (62) 3267-1000.

Comentários