Cidades

Jovem e criança são resgatadas de cárcere privado no litoral de SP

O companheiro dela, um homem de 29 anos foi preso por policiais civis da Delegacia de Defesa da Mulher suspeito de manter os dois em uma pequena edícula, sem alimentação ou higiene

diario da manha

Uma jovem de 18 e o filho dela, de 2,  foram resgatados após terem sido mantidos trancados em uma pequena edícula, sem alimentação ou higiene, em Praia Grande, no litoral de São Paulo. O companheiro dela, um homem de 29 anos foi preso por policiais civis da Delegacia de Defesa da Mulher suspeito de manter os dois em cárcere.

Segundo a polícia, além de não poder sair, a jovem sofria ameaças, tortura e agressões constantes. O resgate teve início após a Guarda Municipal receber uma ligação sobre uma mulher que gritava por socorro em um bairro chamado Trevo.

A associação dos GCMs da Baixada Santista disse ao G1 que, após a denúncia, os guardas fizeram patrulhamento na região e chegaram ao cárcere após uma mulher, que não quis se identificar, apontar o local.

No local, o homem mantinha a companheira e a criança trancados em um cômodo insalubre, com janela gradeada e porta com fechadura do tipo tetra. Ao constatarem a situação, os guardas chamaram a Polícia Civil, o Conselho Tutelar e a Assistência Social.

A mulher relatou aos policiais que era vítima de ameaças, tortura e agressões do companheiro. Ela pediu comida para o filho e disse que gostaria de ajuda para retornar ao Nordeste, onde a sua família vive. As vítimas foram encaminhadas ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e ficaram sob cuidados de uma assistente social.

O homem foi levado para a delegacia após ter ido até a residência procurar pela mulher. Ele foi preso, mas chegou a ser liberado por devolver os documentos da mulher e da criança. Porém, logo após o Poder Judiciário acatou o pedido da delegada pela prisão temporária do homem e pela decretação de medida protetiva de urgência às vítimas.

Segundo a Polícia Civil, o suspeito responderá pelos crimes de violência doméstica, sequestro e cárcere privado, ameaça e lesão corporal.

*Com informações do G1.

Leia também:

Comentários