Cidades

Adolescente é investigada por envolvimento na morte de Ariane

A ideia do crime partiu da menor

diario da manha

Uma adolescente de 16 anos está sendo investigada pela Polícia Civil (PC) por ser suspeita no envolvimento na morte de Ariane de Oliveira, de 18 anos, em Goiânia. A ideia do crime e quem teria dado a primeira facada, partiu da menor.

Segundo o delegado do caso Marcos Gomes, a adolescente investigada parece ter uma grande influência sobre Raíssa Nunes Borges, 19, que teria decidido matar a amiga para saber se era psicopata.  Marcos disse que é possível, através das investigações, ver que a garota de 16 anos tem traços de psicopatia e também queria saber se Raíssa tinha. “De alguma forma, parece que ela convenceu a Raíssa de que, se ela matasse alguém, saberia se era psicopata”, contou.                                  

Apesar das suspeitas de possíveis transtornos de personalidade, o delegado ressaltou que só um laudo médico pode indicar o que de fato se passa com os investigados.

Raíssa Nunes Borges, Jeferson Cavalcante Rodrigues, de 22 anos, e Enzo Jacomini Carneiro Matos, de 18, que usa o nome de Freya, são suspeitos e foram presos. A defesa dos jovens não foi localizada.

Ao contrario do que acreditavam, o primeiro golpe de faca pode ter sido feito pela menor, já que Raíssa revelou que teve medo no início.  

“Em conversa informal, a Raíssa contou que deu a segunda facada na Ariane, que a primeira quem deu foi a menor, que também estava no banco de trás do carro onde o crime aconteceu”, explicou o delegado do caso.

Após o crime os quatros suspeitos do crime foram lanchar juntos em um shopping da capital, depois de executar Ariane, os suspeitos continuaram agindo de forma aparentemente normal, inclusive, fazendo publicações nas redes sociais.

Todos os investigados estão detidos na Delegacia de Capturas em prisão temporária. O pedido de preventiva, que é quando a pessoa fica presa por tempo indeterminado durante o andamento do processo, deve ser feito assim que o delegado finalizar o inquérito policial sobre o caso, até o fim deste mês.

Comentários