Cidades

Black Friday: Consumidores buscam antecipar compras de Natal

Professor da Estácio orienta sobre os direitos e cuidados que os consumidores devem ter durante a data

diario da manha

Uma das datas mais esperadas no calendário do comércio físico e online, a Black Friday será sexta-feira (26). Mesmo em um ano em que a economia continua sendo impactada por conta da pandemia do coronavírus, a expectativa para 2021 é de manter as vendas, principalmente no e-commerce. Mas este ano os brasileiros estão aproveitando a data para antecipar os presentes de Natal.

De acordo com levantamento da NielsenIQ/Ebit, 40% dos consumidores estão na expectativa de encontrar preços mais baixos na já tradicional data de promoções importada dos Estados Unidos. Sendo que a intenção de compra de produtos para a família durante a Black Friday visando ao Natal subiu de 31%, no ano passado, para 33% agora.

Enquanto lojistas querem recuperar o tempo – e as vendas- perdido, os consumidores estão procurando pelos menores preços. Nesta enxurrada de descontos, quem quer aproveitar a oportunidade e antecipar as compras de Natal precisa ter cuidado com alguns detalhes para não cair em ciladas enquanto age por impulso. Pensando nisso, o coordenador do curso de direito da Estácio, Dyogo Henrique Tinoco, dá algumas dicas para o consumidor.

Segundo ele, as pessoas devem ficar atentas aos preços fora do comum. “Mesmo sendo uma data em que os produtos têm preços mais baixos que em outras situações, sempre tem um limite. Ofertas com valores muito abaixo da média devem ser vistas com mais cuidado”, orienta o professor.

Dyogo revela que todos os direitos do consumidor são validos durante a Black Friday e é muito importante que as pessoas os conheçam. “Todos os direitos de compra, troca e desistência valem durante a promoção”, comenta. Para as compras presenciais, o consumidor deve ficar atento aos riscos ocultos, como defeitos internos no produto, e os aparentes, como arranhões, partes quebras e outros. “Neste caso, o consumidor tem o direito de reclamar sobre o produto em até 30 dias, se for durável, e 90 dias para produtos não duráveis”, explica.

Para as compras pela internet, Dyogo afirma que existem os mesmos direitos, mas que as pessoas devem ficar atentas aos prazos. “Já na compra online, o consumidor tem o direito de até sete dias para desistir daquele produto sem qualquer avaria. Já se a reclamação for por algum defeito, o prazo é o mesmo para as compras em lojas físicas”, argumenta.

O professor da Estácio lembra que é muito importante guardar os comprovantes. “Eles facilitarão possíveis trocas, garantia dos produtos e devoluções. Todo consumidor tem direito de desistir de uma aquisição feita. Por lei, o consumidor tem sete dias para desistir de um compra feita sem contato direto, como por telefone ou internet. A troca de produtos é um direito apenas quando há defeito no produto e não ocorre o reparo”, adverte.

Top 10 categorias em intenção de compra, Black Friday 2020 vs 2021, segundo a NielsenIQ/Ebit

  1. Eletrônicos (43% em 2020, 44% em 2021)
  2. Eletrodomésticos (37% em 2020, 39% em 2021)
  3. Casa e Decoração (29% em 2020, 30% em 2021)
  4. Informática (29% em 2020, 29% em 2021)
  5. Moda (27% em 2020, 28% em 2021)
  6. Cosméticos e Perfumaria (21% em 2020, 24% em 2021)
  7. Telefonia / Celulares (25% em 2020, 23% em 2021)
  8. Livros (18% em 2020, 18% em 2021)
  9. Games (13% em 2020, 15% em 2021)
  10. Alimentos e bebidas (12% em 2020, 14% em 2021)

Comentários