Cidades

Covid-19: Cidades goianas retomam restrições devido aumento de casos

A prefeitura de Goiânia estuda restringir a realização de eventos na capital

diario da manha
Foto: Pixabay

Pelo menos quatro cidades já publicaram novos decretos devido o aumento no número de casos de Covid-19 em Goiás. A prefeitura de Goiânia estuda restringir a realização de eventos na capital, ideia apresentada a representantes do setor produtivo na quarta-feira, 12, com base em dados epidemiológicos.

O alerta também foi direcionado ao comércio, bares e restaurantes. A decisão está prevista para ser anunciada até o fim dessa semana. A prefeitura informou, em nota que estuda “implementar ações para reduzir a circulação de pessoas nos ambientes mais propícios à disseminação de doenças infectocontagiosas”. E que “As informações e os números levantados serão apresentados ao prefeito Rogério Cruz, que trabalha de maneira remota, para subsidiar a tomada de decisão”.

Em Caldas novas, está marcado para a próxima segunda-feira, 17, um pronunciamento do secretário de Turismo sobre o carnaval e a possibilidade de restrição ao comércio e aos eventos.

A prefeitura da Cidade de Goiás determinou toque de recolher até 26 de janeiro. De 1h às 6h não é permitida a circulação e ocupação de pousadas e hotéis foi reduzida de 80% para 70%.

Em Senador Canedo a capacidade de receber o público no comércio, bares, restaurantes, eventos e igrejas foi reduzida a 50% e valem até o início da semana que vem.

Itaberaí, desde o último final de semana, limitou em 40% a capacidade de ambientes que recebem o público. Também é obrigatório o uso de máscara, o aferimento de temperatura nos supermercados e congêneres e oferta de álcool em gel.

Em Jaraguá, as festividades que envolvam o carnaval foram proibidas. Bares, restaurantes, academias, comércio e atividades religiosas podem ocorrer com a capacidade de 50%.

Segundo o presidente da Federação Goiana de Municípios (FGM), Haroldo Naves, há reforço natural nas orientações para controle da disseminação do vírus, mas a maior parte dos municípios não possui uma equipe dedicada para avaliar a situação local e por isso seguem as recomendações do Estado.

“A maioria cancelou os eventos de fim de ano, shows. Mas maiores restrições são posições isoladas”, afirma.

Leia também:

Comentários