Cidades

Mulher e namorado são presos suspeitos de roubar moto que ela havia vendido após receber multas de trânsito

De acordo com a polícia, um terceiro suspeito, ainda não identificado, participou da ação com emprego de arma de fogo

diario da manha
Foto: Divulgação

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA), prendeu na quinta-feira, 23, um casal suspeito de ter roubado uma motocicleta no Setor Residencial Buena Vista, Goiânia.

De acordo com a polícia, um terceiro suspeito, ainda não identificado, participou da ação com emprego de arma de fogo. “Os autores utilizaram de extrema violência e efetuaram disparos contra a vítima”, afirma a DERFRVA.

Segundo a corporação, a arma de fogo utilizada no crime, uma pistola Glock 9 mm, kit rajada e a motocicleta já foram recuperadas.

Conforme as investigações, a motocicleta tinha como proprietário legal o pai da autora, porém, já tinha sido vendida em julho de 2020 para a vítima, mas sem a transferência documental no Detran.

“A mulher ganhou um carro de um familiar e resolveu então vender a moto, sem regularizar a documentação no órgão de trânsito. Só que o veículo foi revendido a várias pessoas e ela começou a receber multas. Assim, em virtude do descontentamento com as multas de trânsito, bastante irritada, ela planejou toda a ação criminosa em conluio com o namorado e o terceiro não identificado. Eles conseguiram encontrar o atual dono da moto, ocasião em que fizeram disparos de arma de fogo e subtraíram o veículo”, afirma a DERFRVA.

A polícia informou que o suspeito preso possuía anotação criminal por porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, embriaguez ao volante, tráfico de droga e roubo circunstanciado. Já a mulher não tem nenhum registro criminal.

“Em caso de condenação pelos crimes de roubo majorado e disparo de arma de fogo, os investigados poderão pegar pena de até 20 anos. A investigação criminal prossegue no intuito de identificar o outro envolvido no roubo”, afirma a corporação.

Leia também:

Comentários