Cidades

Protestos contra demissão de professor marcam aulas no Colégio Visão

Estudantes estão fazendo cartazes com dizeres, como: “volta, Osvaldo” e um muro foi pichado acusando colégio de censura. Em nota, escola diz que seu Código de Conduta veda manifestações ideológicas

diario da manha

A demissão do professor do Colégio Visão Osvaldo Machado – após ter uma questão de prova, que usava uma tirinha do cartunista André Dahmer – considerada “doutrinadora” pelo blogueiro Gustavo Gayer – gerou reações dentro e fora do colégio. Além de ganhar repercussão nacional, na escola, os últimos dois dias foram marcados por protestos e até um muro foi pichado.


Nos corredores do colégio, os alunos chamavam o nome do professor e empunhavam cartazes com dizeres, como: “volta, Osvaldo” e “sociologia não é ideologia política”. Um muro do lado de fora do colégio foi pichado, com a frase “fora censura”, mas foi pintado na manhã desta quinta-feira (29), pela administração da escola.


A reprodução da tirinha de Dahmer também foi reproduzida nos protestos. Em suas redes sociais, o cartunista também se manifestou. “O colégio Visão não sabe, mas meu trabalho aparece com frequência em concursos públicos e vestibulares. Em 2011, um dos meus quadrinhos foi tema de redação do ENEM”. Durante os protestos dos alunos, a publicação do cartunista foi reproduzida em cartazes espalhados pela escola.


Em nota, o colégio disse que a escola possui um Código de Conduta que veda manifestações políticas, partidárias ou ideológicas em ambiente escolar. “A direção do colégio mantém um canal de diálogo aberto com alunos e familiares, sempre pautando suas ações no Código de Conduta”, informou o comunicado.


Para o professor de redação Hércules Souto, a decisão do colégio lhe pareceu uma forma de censura, já que privou o professor de usar o contexto social, sendo este o papel da escola. “Se alguém falar que não pode usar tirinhas, como eu vou trabalhar se até o Enem utiliza essa linguagem, inclusive do André Dahmer? Acho que o problema está na sociedade como um todo que está cada vez mais canceladora. O professor deve usar o que precisar. Sala de aula é lugar para pensar a sociedade”, argumenta.


O caso
A polêmica começou após o professor Osvaldo Machado passar uma lista de exercícios para alunos com uma tirinha de Dahmer e a questão foi exposta pelo blogueiro Gustavo Gayer, com a alegação de que Osvaldo estaria “doutrinando” os estudantes.


Na questão, havia uma tirinha questionando “qual o elemento do Estado que está sendo retratado”, abaixo, um dos personagens do cartunista André Dahmer, que comenta sobre mais um assalto em São Paulo no primeiro quadro. No segundo, o personagem afirma que “ainda bem que temos a polícia para combater a violência em prol…”, e no terceiro e último, finaliza com: “…da barbárie”.

“O professor de sociologia ensinando para os jovens que a polícia causa barbárie. Odeia a polícia, mas ama os bandidos”, disse em uma parte do vídeo o influencer.

Osvaldo, que trabalhava na escola há seis anos, afirmou que viu o vídeo na segunda-feira, 27, e foi demitido na terça, 28. Disse também que a questão não se tratava sobre polícia ou bandido, mas sobre o aspecto do estado. “Esse vídeo produziu enorme desconforto. A questão na prova, com a utilização da tirinha, não era sobre polícia ou bandido, mas sobre o aspecto do estado”, alegou o professor.

Questão da prova que gerou a polêmica.

O blogueiro, Gustavo Gayer já foi ex-candidato a prefeito de Goiânia. Em uma lista do Google, encaminhada à CPI da covid, Gayer foi apontado como o segundo blogueiro que mais disseminou fake news no país durante o auge da pandemia.

Gayer foi apontado como o segundo blogueiro que mais disseminou fake news no país

Comentários