Cidades

Suspeitos de aplicar o “golpe do intermediário” são presos

De acordo com a polícia, as penas podem chegar á 11 anos de reclusão

diario da manha

A Polícia Civil do Estado de Goiás, por intermédio do Grupo de Repressão a Estelionatos e outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GREF/DEIC) prendeu em flagrante uma mulher e três homens suspeitos de integrarem uma associação criminosa voltada para a prática do crime de estelionato eletrônico na modalidade Golpe do intermediário.

Conforme a polícia, dois homens foram enganados por uma pessoa que se passou por um intermediário na compra e venda de um caminhão. Após visualizar o anúncio do veículo, o criminoso enganou tanto vendedor quanto o interessado em adquirir o veículo.

“Para o vendedor do caminhão, o intermediário alegou que precisava pagar R$ 63 mil para o cunhado ou dar um caminhão avaliado no valor. Para o interessado em adquirir o caminhão, o golpista disse que o veículo era propriedade de um cunhado, mas toda a negociação deveria ser tratada com ele. Em seguida, após marcar uma visitação para que o interessado em adquirir o veículo pudesse visualizá-lo, o intermediário ofereceu o bem pela quantia de R$ 35.000,00, despertando ainda mais o interesse do comprador que concretizou a negociação”, afirma a polícia.

Segundo a corporação, a vítima transferiu o dinheiro para uma conta informada pelo intermediário como se fosse a conta bancária da esposa e ao tentar transferir o caminhão e falar com o real proprietário, descobriu ter sido vítima de um golpe.

“Após inúmeras diligências, os Policiais Civis do GREF/DEIC lograram êxito em prender três suspeitos de receberem o produto do crime em suas respectivas contas bancárias e um suspeito de ser o responsável por ludibriar a vítima e efetivamente aplicar o golpe”, afirma a polícia.

As investigações prosseguiram e os agentes identificaram outros suspeitos de integrarem a associação criminosa, sendo uma mulher, companheira de um dos presos, e um homem, ambos responsáveis por fornecerem contas bancárias para o recebimento de valores, bem como um terceiro indivíduo, este o suspeito de ser o cooptador de contas do grupo criminoso.

“Com essas informações, os investigadores descobriram o paradeiro do suspeito de ser o cooptador de contas e o capturaram na cidade de Caldas Novas, local onde também foi apreendido um veículo e objetos importantes para a finalização das investigações. A mulher foi presa na cidade de Aparecida de Goiânia e o homem, em Goiânia”, afirma a corporação.

De acordo com o Delegado coordenador da Operação, Paulo Ludovico, os sete investigados presos com as duas fases da operação poderão responder pelos crimes de associação criminosa e estelionato praticado por meio eletrônico. As penas podem chegar a 11 anos de reclusão.

Leia também:

Comentários