Ciência

Cientistas criam alternativa para evitar testes farmacêuticos com animais

diario da manha

Os testes de medicamentos em animais sempre foram discutidos por várias autoridades. No entanto, desta vez, os cientistas parecem mais próximos de resolver esse problema.

Na última segunda-feira (12/03), o Centro Nacional de Substituição, Refinamento e Redução de Animais em Pesquisas (NC3Rs), do Reino Unido, concedeu seu prêmio internacional de 2017 a um grupo da Universidade de Oxford que conseguiu simular a forma como alguns medicamentos afetam células cardíacas humanas usando apenas um software.

O programa, chamado Virtual Assay, foi capaz de analisar corretamente se as substâncias causariam danos ao coração. Até agora, a cobaia virtual apresentou resultados mais eficiente do que os resultados dos testes feitos em animais de verdade. Em 89% das vezes o animal virtual acertou se a droga poderia causar arritmia, enquanto os testes feitos em coelhos acertaram apenas 75% das vezes.

Porém, a técnica não é tão novidade assim, mas é a primeira vez que se aproxima tanto assim do ideal. O Virtual Assay, como se chama o programa, já está sendo usado por quatro empresas farmacêuticas. A esperança é que a tecnologia evolua até o ponto em que testes em animais sejam lembrados como uma barbárie do passado.

(Foto/non157/iStock)

Comentários