Coronavírus

Por falta de proteção contra a Covid-19 médicos paquistaneses fazem greve de fome

Os profissionais estão preocupados porque são linha de frente contra a doença e não estão protegidos

diario da manha
Foto: AFP

De acordo com informações da agência AFP repercutidas pela revista IstoÉ, uma greve de fome organizada por médicos e funcionários de saúde do Paquistão completou 10 dias neste sábado (25). O motivo do protesto é a falta de material de proteção contra o novo coronavírus na província de Punyab, leste de Lahore.

Conforme a publicação, os profissionais estão preocupados porque são linha de frente contra a Covid-19. Eles disseram à AFP que se não estão protegidos toda a população corre risco.

Segundo o sindicato médico Grande Aliança pela Saúde cerca de 30 pessoas estão sem comer. A organização não pretende parar o protesto até que o governo os escute. Entretanto, no início de abril, médicos que fizeram manifestações pelo mesmo motivo no sudoeste do país ficaram presos por várias horas, conforme a revista destaca.

Profissionais precisam de roupa de proteção, diz enfermeira

A matéria aponta ainda que uma enfermeira declarou que eles não precisam de homenagens e sim de roupas de proteção. Segundo ela, algumas tiveram que ser compradas pelos próprios funcionários.

No entanto, as autoridades dos serviços de saúde da província disseram à agência AFP que os hospitais receberam uma quantidade suficiente de equipamentos de proteção, mesmo com atraso inicial.

Em Punyab há 150 profissionais de saúde com coronavírus. O Paquistão registrou 253 mortes ocasionadas pela Covid-19.

Comentários