Coronavírus

Goiano que perdeu seis familiares depõe na comissão

A vacina nunca vinha', diz Arquivaldo Bites, goiano de Trindade, sobrevivente da covid que perdeu seis parentes durante a pandemia

diario da manha
O servidor público federal Arquivaldo Bites, morador de Trindade, depondo na CPI (Reprodução TV Senado)

Em tratamento com graves sequelas após ter contraído covid, o depoente Arquivaldo Bites Leão Leite, morador do município de Trindade na região metropolitana de Goiânia, relatou à CPI ter perdido seis integrantes de sua família para a doença. Primeiro, dois de seus primos faleceram. Depois, um tio, um irmão e dois sobrinhos: “A vacina nunca vinha”, lamentou.

Segundo Arquivaldo, a morte de seu irmão levou sua família a ser ativa em protestos contra o presidente Jair Bolsonaro. Ele diz que um de seus parentes chegou a ser preso por levar, em seu carro, uma faixa com os dizeres “Bolsonaro genocida”.

Enquanto estava acometido pela covid, Arquivaldo sofreu um derrame e perdeu a audição de um dos ouvidos. Hoje, ele tem o equilíbrio comprometido e caminha com o auxílio de um andador. “Estou aqui hoje porque tive a oportunidade de tomar a vacina, enquanto meu irmão e outras 600 mil pessoas não tiveram”, disse.

O depoente também fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro, disse estar certo de que o mandatário cometeu um “genocídio premeditado” e lamentou que o chefe do Executivo tenha causado aglomerações e desestimulado o uso de máscaras.

Família Vilela
O ex-governador Maguito também perdeu a vida vítima da covid 19. O político foi contaminado pelo vírus durante a campanha para a prefeitura de Goiânia, vindo a falecer, ainda no hospital, após ser eleito. Antes, duas irmãs de Maguito, Nelma e Nelita Vilela, também morreram por causa de complicações da Covid-19.

Comentários