Coronavírus

Variante ômicron é neutralizada com terceira dose, afirma fabricante da Pfizer

Aplicação da terceira dose aumenta os títulos dos anticorpos em 25 contra a Covid-19, comparado com as duas doses

diario da manha

A fabricante da Pfizer afirmou nesta quarta-feira, 8, que estudos preliminares indicam que a terceira dose da vacina é capaz de neutralizar a variante ômicron da Covid-19, aumentando os títulos de anticorpos contra a doença em 25 vezes, comparado com as duas primeiras.

A Sinovac, fabricante da CoronaVacm divulgou no mesmo dia que a terceira dose da vacina amplia em 20 vezes o nível de neutralizantes contra a doença. A informação foi cedida pelo cientista Xiangxi Wang, pesquisador do Laboratório de Infecção e Imunidade do Instituto de Biofísica da Academia Chinesa de Ciências.

No Brasil, a Pfizer é o segundo imunizante mais aplicado, com 33,5% das doses administradas, de acordo com o Ministério da Saúde. A vacina mais aplicada é a AstraZeneca, com 37,5%, em terceiro está a CoronaVac, com 27,4% e em último a imunizante Janssen/Johnson, com apenas 1,6% das doses aplicadas.

Aplicação da terceira dose no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, em novembro, a aplicação da dose de reforço da vacina Pfizer na bula, sendo indicada para maiores de 18 anos e aplicada seis meses após a segunda dose.

Vacinômetro

De acordo com números divulgados pela Secretarias Estaduais de Saúde nesta quarta-feira, 8, 74,93% dos brasileiros tomaram a primeira dose, 64,72% estão imunizados com a segunda dose e 8,97% tomou a dose de reforço.

Comentários