Coronavírus

Hospital é condenado a pagar R$ 100 mil por danos morais à mulher de paciente que morreu a espera de vaga na UTI

Caso aconteceu em março do ano passado. Unidade de saúde informou que vai recorrer da decisão

diario da manha

O Hospital Anna Nery foi condenado a pagar uma indenização de danos morais, no valor de R$ 100 mil, à mulher de um paciente que morreu enquanto esperava uma vaga de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para o tratamento da Covid-19.

A decisão foi da Justiça Federal, e conforme as informações divulgadas, o processo diz que a internação do paciente foi negada, mesmo com vagas disponíveis na unidade de saúde.

O processo faz referência ao mês de março do ano passado, quando não apenas o sistema de saúde do Distrito Federal, mas de todo o país, ficaram sobrecarregados. Na ocasião o DM, estava com uma taxa de ocupação de UTI de 96,96% na rede pública, enquanto os números da rede privada alcançaram 98,09%.

Segundo as informações divulgadas, o paciente foi internado na emergência do hospital sintomas da doença, e após cinco dias ele teve uma piora em seu quadro de saúde. A mulher do paciente disse que fez uma pesquisa no site Infosaúde, da Secretaria de Saúde, e descobriu que no Hospital Anna Nery haviam duas vagas de UTI’s disponíveis.

Em matéria publicada pelo G1, mostra que no dia 29 de março do ano passado, o paciente foi transferido para a unidade vermelha do hospital, onde morreu, enquanto esperava a transferência para uma UTI. Embora tenha sido condenada pela Justiça Federal, a defesa da unidade de saúde, afirmou que vai recorrer da decisão.

Conforme o Hospital, o paciente não foi internado por falta de vagas, e que o portal de dados não é reflete completamente a realidade mostrada. A unidade de saúde afirmou também que o plano de saúde do paciente em questão poderia ter feito a transferência do mesmo para uma UTI.

Leia também:

Comentários