Cotidiano

Coaching para crianças gera controvérsia entre profissionais

diario da manha

Nascido como uma ferramenta corporativa, que ajuda o profissional a descobrir seu potencial e desenvolver melhor suas habilidades, ocoaching é, atualmente, uma estratégia utilizada por diferentes públicos, com diferentes necessidades. Realizado por um instrutor (coach) que ajuda o cliente (coachee) a atingir os seus objetivos, o trabalho pode ser realizado com praticamente qualquer pessoa.

É justamente esta abrangência do coaching que incentivou o surgimento da técnica no mundo infantil. Para Tânia Sakuma, profissional do Instituto Tsukimi de Aprendizagem e Resiliência e coach infantil, o processo pode ser aplicado em crianças a partir de 4 anos, de forma individual ou em grupo. A ideia é desenvolver autonomia, resiliência, interação social, desempenho escolar e elaboração de crenças positivas. “Este processo, de autodescoberta e de promoção da aprendizagem e resiliência, é facilitado através de jogos, brincadeiras, vivências e diálogos, nos quais as crianças são ajudadas a perceber situações e possibilidades novas ou ignoradas anteriormente”, explica.

Tânia alerta, porém, que muitas vezes é procurada para estimular e desenvolver na criança o modelo de sucesso idealizado pelos pais. “Para estes, o processo de “Coaching para Pais” é a melhor sugestão, com o propósito de aceitarem seus filhos do jeito que são, com as suas individualidades, potencialidades, características e limitações”.

A metodologia aplicada com crianças, no entanto, é questionada por diversos profissionais. O presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC), Sulivan França, argumenta que a técnica usada no mundo infantil se desvirtua do próprio conceito do método, que tem começo, meio e fim. “A verdade é que não é coaching. A metodologia procura direcionar as principais características da personalidade do indivíduo que queira alcançar uma meta de curto prazo ou objetivos de médio e longo prazo. Somente o indivíduo adulto tem esse discernimento”, opina.

Para Tânia, o coaching é o processo de extrair o máximo do potencial do outro, o que pode, sim, ser realizado com uma criança. “(É um trabalho) orientado ao futuro, trabalhando as competências e habilidades atuais em busca de obter novas conquistas e realizações em prol da felicidade e qualidade de vida”.

Para os pais que se preocupam com problemas emocionais do filho, a melhor opção é buscar um terapeuta ou psicólogo, já que o coaching está mais relacionado a aprendizagem. A diferença principal, segundo Tânia, é que a terapia foca os problemas atuais nas experiências e nos sentimentos relacionados a eventos passados e o coaching é orientado ao futuro, trabalhando as competências e habilidades atuais em busca de obter novas conquistas e realizações.

Sulivan acredita que diante de alguma questão infantil, um psicólogo será mais indicado para ouvir e tentar entender o que está passando pela cabeça da criança, sem procurar desenvolver capacidades e inteligência emocional. “Um psicólogo, sem dúvida, iria recomendar interação criança com criança no lugar de mais cursos, porque criança hoje em dia tem mais compromissos que adulto”, defende.

Comentários

Mais de Cotidiano

3 de julho de 2019 as 15:11

Morre Wágner Nasser