Cotidiano

França, Alemanha e Reino Unido querem reunião urgente para discutir migração

Da Agência Lusa

Os ministros do Interior da França, Alemanha e do Reino Unido apelaram hoje (30) para a necessidade de uma reunião urgente de representantes da União Europeia, nas próximas semanas, devido à crise dos migrantes.

Bernard Cazeneuve, Thomas de Maiziere et Theresa May pediram à presidência da União Europeia (sob a responsabilidade de Luxemburgo) a realização de um primeiro Conselho de Justiça e Negócios Estrangeiros nas próximas semanas, para preparar a reunião de 8 de outubro e avançar com propostas concretas, informa comunicado publicado um dia depois do encontro, em Paris, de nove países europeus para discutir segurança nos transportes.

Hoje, o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, chamou de “escandalosa” a atitude de certos países do Leste da Europa diante da crise dos refugiados, a começar pela Hungria.

A Comissão Europeia quer distribuir os pedidos de asilo pelos vários países europeus, a fim de aliviar os que estão servindo de entrada dos migrantes. No entanto, essa distribuição voluntária está sendo dificultada pela falta de vontade de alguns países, incluindo a Hungria, Áustria, Eslováquia e Eslovénia.

A Hungria, país que serve de porta de entrada para os migrantes e refugiados que pretendem chegar à Europa Ocidental, ergueu uma barreira de arame farpado ao longo dos 175 quilômetros da fronteira com a Sérvia, atualmente vigiada por cerca de mil policiais, aos quais irão juntar-se mais 2 mil a partir de 1º de setembro.

Também hoje, o primeiro-ministro italiano, Mateo Renzi, afirmou que a União Europeia tem de começar a mover-se em busca de uma solução sobre a questão da imigração.

Em entrevista publicada no jornal Corriere Della sera, Renzo criticou o fato de as primeiras medidas terem chegado após a cúpula extraordinária de abril, na sequência da tragédia no Canal da Sicília, na qual centenas de imigrantes morreram afogados após o naufrágio da barca em que viajavam.

“As imagens dramáticas dessas crianças asfixiadas no caminhão e assassinadas no porão das embarcações dizem-nos que a Europa deve procurar uma estratégia”, disse o primeiro-ministro italiano, que pediu a internacionalização dessa crise, pois não é só um problema de Itália ou da Grécia.

Em artigo publicado nesse domingo no The Sunday Times, a ministra do Interior britânica, Theresa May, considerou que só os cidadãos da União Europeia que tenham oferta de trabalho deveriam entrar no Reino Unido, como forma de controlar a imigração.

Para a responsável britânica, a ausência de fronteiras na UE é a causa da atual crise migratória no bloco europeu.

Segundo Theresa May, a crise migratória tem se intensificado desde o início do verão nas áreas costeiras do Sul da Europa, onde milhares de migrantes arriscam a vida para conseguir uma vida melhor. Para ela, isso deveria chamar a atenção dos líderes europeus.

Comentários

Mais de Cotidiano

3 de julho de 2019 as 15:11

Morre Wágner Nasser