Cotidiano

Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia ganha bloqueador de celular

diario da manha

Um bloqueador de sinais de celular foi instalado na quarta-feira, 10, pela Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP-GO), no perímetro da Penitenciária Coronel Odenir Guimarães, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. O objetivo é impedir a comunicação da população carcerária com o mundo externo.

A medida foi determinada pelo titular da SSPAP e vice-governador, José Eliton, e visa a redução do número de crimes praticados por organizações criminosas, muitas delas chefiadas por cárceres dos presídios estaduais.

O equipamento bloqueador é o terceiro a ser instalado na região. A Casa de Prisão Provisória e o Núcleo de Custódia já possuem equipamento similar. De acordo com o superintendente de Administração Penitenciária, coronel Victor Dragalzew, o bloqueio dos sinais de celulares no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia é um projeto piloto que, caso seja bem-sucedido, poderá ser estendido às outras 110 unidades prisionais do Estado de Goiás.

Além da instalação do equipamento, policiais da Superintendência de Administração Penitenciária, junto ao Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope), iniciaram na manhã desta quinta-feira, 11, a vistoria das celas nos pavilhões A, B e C da penitenciária.

A ação resultou na apreensão de 88 aparelhos celulares, 82 xuxos, 168 trouxinhas de maconha, 177 pedras de crack, além de um tablet. A maior parte dos itens estava enterrada e em grades danificadas. A vistoria foi feita em 1.650 presos que foram levados para o pátio para passar por revista.

As polícias Civil e Técnico-Científica ficarão responsáveis por registrar as apreensões e analisar os objetos e drogas apreendidos.

apreensões
Material apreendido durante vistoria em complexo carcerário

Comentários