diario da manha

Uma famosa frase de caminhão diz que a depressão é excesso de passado. O estresse, por sua vez, se configuraria excesso de presente. E a ansiedade encarnaria o exagero de futuro. A pessoa se aflige com o que vem ou vai acontecer. E assim torna-se ansioso.

Considerada uma das sensações corporais mais desagradáveis e prejudiciais para o organismo, a ansiedade tornou-se um desafio para a ciência. Psicologia, medicina, enfermagem e outras áreas de conhecimento se unem para tentar enfrentar o monstro que não é de forma alguma imaginário.

Controlá-la ou medicá-la passou a ser uma necessidade. Sozinha ou em conjunto com outras doenças, a ansiedade torna-se complicadora ao acelerar processos destrutivos da saúde.

Uma pesquisa realizada no âmbito da Universidade Federal de Goiás (UFG) revela como esta sensação acomete os pacientes com problemas de saúde e que necessitam de uma abordagem cirúrgica. Conforme o estudo científico de Lorena Morena Rosa Melchior e Regiane Santos Barreto (doutora em Ciências da saúde), defendido no primeiro semestre deste ano, é possível realizar o levantamento do perfil dos pacientes ansiosos pré-operatórios. Ele é formado por pacientes na faixa etária entre 50 e 69 anos, mulheres, baixa escolaridade, casados, moradores do interior de Goiás, em casas cujo provedor era único, trabalhadores informais ou desempregados, com menos de 24 horas de internação, sem doenças crônicas e que não apresentam dor no pré-operatório.

No estudo, considerou-se pré-operatório imediato as últimas 24 horas que antecedem a cirurgia. Neste momento foi realizado o levantamento dos dados.

O estudo revela que toda pessoa em um processo de hospitalização está sujeita ao sentimento de ansiedade, que aflige ainda mais quem enfrenta algum distúrbio de saúde.  No entanto, um grupo específico, justamente o perfil encontrado na pesquisa, merece maior atenção e intervenções. Este grupo está totalmente exposto a toda turbulência da ansiedade, geralmente descrita como medo, aperto no tórax, sensação incomoda no estômago e uma disfunção generalizada no sistema nervoso.

As pesquisadoras da UFG explicam que a ansiedade é uma reação emocional transitória desagradável e se caracterizada por sentimentos como nervosismo e preocupação, tensão e apreensão. Lorena Morena diz que dentre 60% a 80% dos pacientes cirúrgicos apresentam traços que interferem em seu emocional.

O estudo dos pacientes ansiosos tem um motivo para os profissionais de enfermagem: afinal, ele passará por um processo de intervenção cirúrgica e seu engajamento antes, durante e depois da cirurgia é importante para a recuperação. A intenção do profissional da área é oferecer assistência que vise atender as necessidades do paciente e entendê-lo como ser humano único. Busca-se, desta forma, não separar questões físicas do emocional.

A pesquisadora explica que o paciente ansioso no pré-operatório pode apresentar maior dificuldade em estabelecer acesso venoso, rigidez da mandíbula durante a indução da anestesia e muitas vezes necessidade de maiores doses de anestésicos e outros medicamentos, o que tende a gerar repercussões para a pessoa. “No período pós-operatório”, explica a autora da dissertação, a ansiedade tem sido correlacionada com maiores índice de dor, náuseas e vômitos, ao retardo na recuperação e consequente aumento do risco de infecção.

O paciente ansioso costuma enfrentar esse processo cirúrgico de forma traumática e sofrida. A autora da pesquisa “Ansiedade pré-operatória em pacientes cirúrgicos hospitalizados de Goiânia” afirma que diversas medidas podem ser realizadas para evitar esse conjunto de sentimentos.

Lorena investigou 200 pacientes durante a pesquisa, o que revela um grupo considerável frente aos demais estudos realizados no mundo. “O sexo, a ocupação e o medo da anestesia configuraram-se em preditores para ansiedade moderada e grave nos pacientes cirúrgicos”.

Na pesquisa realizada por Lorena Morena e Regiane Barreto, a ansiedade foi detectada em 53% (n=106) dos pacientes avaliados. A maioria deles apresentou nível de ansiedade leve. Uma pequena parcela (8,5% dos pacientes) enfrentou a ansiedade em seu nível mais grave.

Produzida no âmbito da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás (UFG), a pesquisa de Lorena Melchior abre caminho para que os profissionais atuem tendo em vista a diminuição do sofrimento dos pacientes.

CONFIANÇA

A visita pré-operatória – diz a pesquisadora – cria “uma relação de confiança entre a equipe e o paciente, por meio do ensino sobre o processo e a preparação ideal para a cirurgia, sendo capaz de reduzir a ansiedade e tornar esse processo mais harmonioso e menos traumático, como muitas pesquisas já têm evidenciado”.

A pesquisadora da UFG diz que desde sua graduação se intrigava com a presença constante do diagnóstico de enfermagem “ansiedade” nos pacientes.  A própria autora da pesquisa, inclusive, enfrentou a ansiedade de perto. No primeiro ano de curso, ela acompanhou o sofrimento do pai, que passou por um acidente automobilístico. “Lembro que, na véspera da cirurgia, meu pai chorou várias vezes, não conseguiu dormir nem se alimentar, mesmo com nossa insistência”.

Lorena Morena: pesquisa de mestrado na Universidade Federal de Goiás (UFG) sobre ansiedade em pacientes no estado de pré-operatório

Lorena escreve em sua pesquisa que é fundamental o envolvimento das equipes multiprofissionais que atuam em hospitais e instituições de saúde para ocorrer a redução da prevalência da ansiedade.

Para Lorena, é preciso que ocorra a sensibilização de gestores de saúde e que eles adotem uma cultura de segurança, pois essa prática oferece ao paciente o atendimento mais seguro possível

ANGÚSTIA

Muitas vezes a ansiedade abre espaço para a angústia. Mas existem diferenças para os especialistas. A psicóloga Luciene Fogaça alerta que não se deve confundir a  ansiedade com angústia. Esta última, diz, é menos comum e tende a surgir muitas vezes do nada – o contrário da ansiedade, que apresenta um perfil determinado.  Ela alerta que menos de 50% da população sofre dessa doença e a maioria dos pacientes é composta por mulheres.

O tratamento costuma se iniciar com um psicólogo, que pode procurar auxiliar o paciente a contornar os pensamentos e sentimentos insuportáveis.  Pesquisas realizadas na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) indicam que a angústia pode ser tratada de forma medicamentosa, já que é forte a hipótese de que seja provocada quando ocorre excitação da ínsula, localizada no córtex cerebral.

A ínsula está relacionada a produção de sensações no coração, por exemplo. É ela que realiza a interpretação de emoções, cheiros, gostos e empatia por determinadas situações. Uma das hipóteses de tratamento da angústia é o uso de benzodiazepínicos. O problema é que o abuso destes medicamentos tem provocado reação na comunidade acadêmica.  Seu uso de forma insistente é de alto risco e provoca mais mortes do que o uso de cocaína, indica pesquisa divulgada nesta semana.

A substância pode ser encontrada em medicamentos como Rivotril, Valium, Xanax e Ativan. Pelo estudo quantitativo da Universidade da Colúmbia Britânica (UBC), de Vancouver, no Canadá, o risco de morte é 1,86 vezes maior em quem utiliza benzodiazepínicos  do que os usuários de drogas ilegais como a cocaína.

A escala da ansiedade

GRAU
A Escala de Ansiedade de Hamilton foi elaborada em 1959 e ainda hoje é utilizada nas pesquisas. Nela, 14 itens de quatro pontos (0 = nenhum e 4 = máximo) ajudam a identificar o grau de ansiedade das pessoas.
DOIS GRUPOS
Existem dois grupos com sete itens cada. O primeiro está relacionado aos sintomas de humor ansioso (1 ao 7) e o segundo aos sintomas físicos de ansiedade (8 ao 14).
TOTAL
O número final é obtido pela soma valores (graus) atribuídos aos 14 itens, cujo resultado pode variar de 0 a 56.
ANSIEDADE NORMAL
De zero a 17
ANSIEDADE LEVE
De 18 a 24
ANSIEDADE MODERADA
De 25 a 29
ANSIEDADE SEVERA
De 30 para cima.
QUEM SÃO OS ANSIOSOS
Prevalência: 53% (n=106)
Faixa etária: 50 a 69 anos
Sexo: mulheres (52,0%/n=55)
Escolaridade: baixa (56,6%/ n=60)
Estado civil: casados (57,5%/n=61)
Residência: moradores do interior de Goiás (51,0%/n=54),
Ocupação: informais/desempregados (58,4%/n=62)
MEDOS
Dos pacientes que relataram algum tipo de medo no pré-operatório, 72,0% (n=41) eram pacientes ansiosos. Os principais medos relatados eram sofrer erros quanto à cirurgia, de morrer, de perda motora, infecção e de anestesia.
ORIENTAÇÕES
Os pacientes receberam orientação quanto ao procedimento anestésico-cirúrgico:
Sim 47 (23,5%)
Não 153 (76,5%)
PROFISSIONAL QUE ORIENTOU
Médico: 30 (15,0%)
Enfermeiro: 16 (8,0%)
Outros: 1 (0,5%)
Nenhuma orientação: 153 (76,5%)
Fonte: “Ansiedade pré-operatória em pacientes cirúrgicos hospitalizados de Goiânia”, pesquisa de Lorena Melchior e Drª Regiane Santos Barreto, realizada em um hospital de ensino vinculado /UFG

Grupo apresenta alta ansiedade, mas de intensidade leve

O estudo de Lorena Morena Rosa Melchior, realizado em Goiânia, indica que a prevalência de ansiedade pré-operatória encontrada foi alta quando comparada a estudos semelhantes. Todavia, diz Lorena, a maioria dos pacientes ansiosos demonstrou níveis de ansiedade leve.

No estudo se observou que além do sexo e da ocupação da pessoa, o medo da anestesia influencia na ansiedade. “O medo da anestesia, de algo dar errado, ou de morrer, esteve em parte predominante da amostra e o medo de erros mostrou relação significante com a ansiedade moderada e grave”.

A pesquisa teve a resposta de pacientes a partir de 18 anos, com cirurgia programada (eletiva), lúcidos e em condições para participar da pesquisa.

Conforme Lorena Morena, a ansiedade foi detectada em 53 % dos pacientes avaliados (106 pessoas).

Estudantes apresentam ansiedade na reta final     

O médico psiquiatra Murilo Leite explica ao DM que a pressão dos exames pode ser excessivamente internalizada e provocar o transtorno de ansiedade.  Ele explica que a excitação emocional e fisiológica recorrente pode surgir diante de um quadro de ameaça – ou percepção de que exista uma ameaça.

Ele informa que a irritabilidade, tensão muscular, insônia e aceleração cardíaca ajudam a entender o quadro de ansiedade. Murilo Leite diz que a pessoa que sofre do transtorno de ansiedade dimensiona o medo, o que pode desencadear reações negativas nas situações de desafio.

O psiquiatra diz que no caso específico “as ameaças são as provas, o perigo de não conseguir obter o resultado almejado”.

Murilo afirma que a família e paciente devem procurar ajuda especializada para identificar o quanto antes a ansiedade.  Outra indicação do médico diz respeito ao que circula na cabeça do estudante: a “desaceleração do emocional” pode ajudá-lo, principalmente nesta fase em que se aguarda o resultado do Enem.

No caso das provas, reduzir as expectativas pode diminuir a ansiedade.  “O melhor é pensar que se não deu dessa vez poderá obter sucesso na próxima”.

O psiquiatra indica que as próprias escolas monitorem os sentimentos e atitudes negativas dos alunos. Inquietação, fadiga e o famoso “dar branco” são comuns nesta situação.

 

 

Comentários