Cotidiano

Bombeiro furta viatura e tenta atacar Congresso Nacional

diario da manha
Bombeiro surta no DF

A Justiça do Distrito Federal pediu a prisão preventiva do 2°sargento do Corpo de Bombeiros, Fabrício Marcos de Araújo, de 44 anos, detido por furtar viatura da corporação e dirigir rumo ao Congresso Nacional. O motorista só parou após policiares atirarem nos pneus do veículo. O caso aconteceu na madrugada de domingo (03/12). O suspeito irá responder pelos crimes de furto qualificado, desobediência, danos ao material da administração militar e tentativa de dano.

De acordo com a Polícia Militar, o homem pegou o automóvel em um quartel na Ceilândia Norte e percorreu aproximadamente 30 km em alta velocidade com o objetivo de chegar na sede do Poder Legislativo. Eles afirmaram que o suspeito aparentava estar “em surto psicótico” e gritava que “não iria parar”.

A ação para deter o bombeiro contou com cerca de 15 viaturas da PM que seguiam o caminhão. Ao perceberem que ele não iria parar, atiraram nos pneus do veículo e bloquearam o rapaz na altura da Catedral de Brasília. Ninguém ficou ferido durante o acontecido.

O sargento se recusou a fazer o teste do bafômetro e foi encaminhado à 5ª Delegacia de Polícia (Área Central) e posteriormente levado ao Instituto de Medicina Legal (IML) para realização exame clínico.

Ainda não há confirmação sobre as intenções do agente, nem como ele conseguiu retirar a viatura da corporação. Em nota divulgada pela Secretaria de Segurança Pública do DF, as primeiras investigações não apresentaram indícios de atentado terrorista. A Polícia Civil investiga o caso.

O juiz da Auditoria Militar do DF, Alessandro Marchió Bezerra Gerais, optou por manter Araújo preso preventivamente já que colocou “vidas em risco”, assim como causou “danos de grandes proporções ao local”.

Defesa

A defesa do agente militar alegou por meio de relatório psicológico que o suspeito não teria condições de responder por suas ações. Porém, o documento não foi suficiente para conseguir a liberação. O juiz destacou que a gravidade do incidente: “Verifica-se, assim, que ele estava obstinado em atingir o seu intento, não sendo possível precisar quantas vidas inocentes ele poderia ceifar para fazê-lo

O bombeiro e sua família terão acompanhamento de médicos, religiosos e psicólogos da corporação.

Assista o momento da perseguição:

Comentários