Cotidiano

Governo de Goiás, por meio da Agrodefesa, envia ao Mapa relatório de vacinação contra aftosa em maio.

diario da manha

O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária – Agrodefesa, encaminhou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no final da tarde de sexta-feira (28/6) o relatório conclusivo da campanha de vacinação de bovinos e bubalinos realizada no mês de maio. O índice de imunização chegou a 99,24% do rebanho, totalizando 21.908.299 cabeças.

Os pecuaristas que não vacinaram os animais ficam bloqueados no Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás – Sidago, para movimentação e comercialização dos animais. Além disso, são multados em R$ 7,00 por cabeça não vacinada. Para regularizar a situação, eles têm de requerer a vacinação assistida, que é realizada com acompanhamento da Agrodefesa. Somente após essa providência a propriedade é liberada para movimentação dos animais. Para a vacinação assistida, o produtor deve procurar o escritório local da Agência no município em que fica sua propriedade, onde irá requerer a vacinação e também obter autorização para compra da vacina, já que a revenda só pode comercializar o produto mediante autorização da Agrodefesa.

Resultado positivo

O presidente da Agência, José Essado, avalia que os resultados da campanha realizada em maio são altamente positivos, especialmente pelo elevado índice de vacinação espontânea e pelas ações de vacinação assistida já realizadas e que vão continuar mesmo após o envio do relatório ao Mapa. “O mais importante é que, ao final, a meta é chegar a 100% do rebanho bovino e bubalino imunizado”, reforça Essado. O total previsto de animais passíveis de vacinação é de 22.230.251 cabeças. O relatório mostra que falta vacinar de forma assistida apenas 321.952 animais.

Após 24 anos sem registro de febre aftosa e reconhecimento do status de Estado livre da doença, com vacinação, Goiás caminha agora para a retirada da vacina, buscando o reconhecimento internacional de área livre da aftosa, sem vacinação. Para tanto segue todas as diretrizes do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa – PNEFA do Ministério da Agricultura, que prevê a suspensão da vacina no segundo semestre de 2021. Isso significa que, em maio daquele ano, todo o rebanho ainda deverá ser imunizado, suspendendo-se a aplicação na etapa de novembro e nos anos seguintes. O PNEFA estabelece uma série de ações que se estendem de 2017 até 2026. Em Goiás, elas foram iniciadas ainda em 2017, quando da publicação do plano.

Comentários

Mais de Cotidiano