Cotidiano

Esquema de compra de votos é desarticulado pela polícia

Segundo o delegado responsável, Tiago Junqueira, da DPR de Iporá, onde o crime está sendo investigado, foi descoberto o crime eleitoral através dos próprios áudios do suspeito.

diario da manha

Foi descoberto na cidade de Firminópolis um grande esquema de compra e venda de votos nas eleições municipais de 2020. Um mandado de busca e apreensão foi realizado pela Polícia Civil (PC) em parceria com a Delegacia de Polícia (DP) onde foi encontrado provas do crime na residência do acusado.

Segundo o delegado responsável, Tiago Junqueira, da DPR de Iporá, onde o crime está sendo investigado, foi descoberto o crime eleitoral através dos próprios áudios do suspeito nas redes sociais, ele afirmou: “…o próprio autor, o investigado, publicou nas redes sociais, grupos de whatsapp, a oferta, né…”

Ainda segundo informações do delegado, o esquema funcionava da seguinte forma; o acusado prometia para os eleitores o valor de R$ 200,00. Uma parte desse valor seria pago no dia da eleição, e caso os dois candidatos para qual os votos estavam sendo comprados fossem eleitos, ele pagaria a segunda parcela, no valor de R$ 100,00. Caso apenas um deles fosse eleito essa segunda parcela não seria paga.

Havia um caderno de anotações onde todo controle vinha sendo feito. Era anotado o nome, CPF, telefone e número do título eleitoral das pessoas; A investigação apontou cerca de 50 pessoas nesse controle que já havia fornecido os dados para a compra dos votos. O Valor seria pago na parte da manhã, no dia da eleição.

Um áudio vazado do acusado, revelou que foi disponibilizado um valor de R$ 20 mil reais para compra desses votos, e seria necessário no mínimo 100. Ele deveria apresentar o número do título das pessoas para comprovar a compra.

Ainda não se tem informações se os candidatos que estavam sendo beneficiados com esse esquema tinha conhecimento do caso. O DM Online entrou em contato com o delegado responsável pelo caso, fomos atendidos por ele, mas até o momento do fechamento dessa reportagem essa questão ainda não havia sido respondida. O crime segue sob investigação.

Comentários