Cotidiano

Enem: MEC diz que ainda não finalizou contrato para fazer versão digital do exame

A prova está marcada para os dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro, mas antes será realizada uma versão impressa nos dias 17 e 24 de janeiro

diario da manha

Faltando menos de 60 dias para a prova, o Ministério da Educação (MEC) ainda não fechou o contrato para fazer a versão digital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Conforme o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o contrato ainda está em fase de finalização e os custos também não estão definidos.

Segundo o Inep, autarquia do MEC responsável pela realização do Enem, o exame está marcado para os dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro, mas antes será realizada uma versão impressa da prova nos dias 17 e 24 de janeiro.

O projeto-piloto, tem mais de 96 mil pessoas (1,7% do total de 5,8 milhões de candidatos) inscritos no Enem digital. A edição é um formato exclusivo para 2021, mas a ideia do MEC é tornar a prova totalmente digital até 2026.

Porém, para que o projeto-piloto seja realizado no próximo ano, ainda é preciso alterar o contrato do exame impresso, fechado com a Fundação Cesgranrio, e incluir os detalhes sobre a versão digital.

No anúncio do projeto-piloto do Enem digital, o Inep informou que estimava investir cerca de R$ 20 milhões. Além disso, não pretendia comprar novos computadores mas sim usar equipamentos de instituições de ensino localizadas nas cidades participantes.

Segundo o doutor em educação Ocimar Alavarse, do Grupo de Estudos e Pesquisas em Avaliação Educacional (Gepave), da Universidade de São Paulo (USP), esse atraso para finalizar o contrato e as demais decisões, pode colocar em risco a aplicação da prova.

“O problema envolve toda a logística da prova: preparação do local, dos dispositivos, a transmissão dos dados, o processamento das informações. Para isso, precisam ser feitos testes, e em dois meses, isso pode ficar comprometido. Em tese, a empresa só poderá fazer tudo isso quando tiver assinado o aditamento”, afirma.

Como vai funcionar o Enem digital:

Segundo o Inep, a prova do Enem digital será “carregada” no computador pela internet, mas essa conexão será cortada durante a aplição da prova. Além disso, os computadores receberão um programa que vai bloquear ferramentas existentes na máquina, como calculadoras. Já a redação será feita em papel como no Enem tradicional.

Também para impedir que os dados sejam decodificados a tempo de afetar a aplicação das provas, as informações serão criptografadas. O instituto não informou se será feito o transporte e armazenamento do sistema.

Ainda para aplicação da prova, serão usados cerca de 4 mil laboratórios de informática em escolas, universidades e outras instituições credenciadas na Rede Nacional de Postos Aplicadores (RNPA). Para isso as instituições cadastradas no RNPA deverão ter no mínimo duas salas, com pelo menos dez computadores cada.

O Inep não informou se após o aluno concluir a prova, o exame será transmitido via internet e como ocorrerá o processo para garantir que todos os resultados cheguem ao instituto.

Sobre o treinamento dos aplicadores da versão digital, o Inep informou que começará neste sábado (5). Para as provas do Enem estão sendo treinados 30 mil aplicadores. Não há detalhamento sobre quantos serão para o Enem impresso e quantos serão para o Enem digital.

Cronograma do Enem 2020

  • Provas impressas: 17 e 24 de janeiro
  • Prova digital: 31 de janeiro e 7 de fevereiro
  • Reaplicação da prova: 24 e 25 de fevereiro
  • Resultados: a partir de 29 de março

Comentários