Cotidiano

Menino de 2 anos é salvo por bombeiros pela segunda vez

Téo, resgatado em um afogamento no ano passado, agora foi socorrido em um incêndio

diario da manha

O menino Téo, de 2 anos, pela segunda vez foi salvo pelo Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF) na madrugada desta quarta-feira, 14. O pequeno foi resgatado a primeira vez em uma piscina após afogamento no Lago Sul em maio de 2020, e desta vez, foi salvo de um incêndio na Asa Norte, região do Distrito Federal.

Téo estava com o pai e outra criança em um galpão utilizado como casa, o antigo Centro Aerodesportivo Irapuã Luna Machado, ao lado do depósito do Departamento de Trânsito (Detran). O homem sofreu queimaduras nas mãos e os pequenos ficaram ilesos.

De acordo com os Bombeiros, as chamas começaram por volta de 1h da madrugada, e quando chegaram no galpão, se depararam com o pai do Téo utilizando uma mangueira de jardim na tentativa de apagar o incêndio.

“Os bombeiros então se dividiram e, enquanto uma parte combatia as chamas, a outra equipe realizava uma busca dentro do galpão, onde encontraram no interior de um dos quartos, duas crianças”, afirmou o CBMDF.

Os socorristas logo perceberam que uma das crianças era Téo, o “guerreiro” assim chamado por ter resistido a 26 minutos de reanimação e ficar internado por 9 dias após o afogamento no primeiro resgate.

Os pequenos foram entregues aos familiares, e o pai sofreu queimaduras de segundo grau nas mãos e precisou ser transportado ao Hospital da Asa Norte (Hran). De acordo com os bombeiros, ele estava “consciente, orientado e estável”.

O incêndio foi isolado e extinto, o fogo atingiu um sofá, brinquedos e uma estante de concreto com utensílios. O motivo do incêndio ainda está sendo investigado pela perícia, no total, foram quatro viaturas e 18 militares envolvidos na ocorrência.

“Além das paredes e teto ficarem chamuscados, a porta do quarto onde estavam as crianças também foi parcialmente queimada, porém resistiu as chamas e as protegeu do fogo e do calor”, disse a corporação.

*Com informações do G1

Leia mais:

Comentários