Cotidiano

A União precisa rever a política da Petrobras sobre seus preços

O álcool, ou como o batizaram com um nome mais técnico, o etanol, poderá passar a ser vendido diretamente aos postos pelos produtores e não mais pelas distribuidoras de combustíveis

diario da manha

O álcool, ou como o batizaram com um nome mais técnico, o etanol, poderá passar a ser vendido diretamente aos postos pelos produtores e não mais pelas distribuidoras de combustíveis. A ideia contida em uma Medida Provisória do governo federal é diminuir o preço do produto, principalmente a sua carestia. Contudo, especialistas sobre o tema afirmam que mesmo com a MP, os donos de postos não deverão baixar os preços do combustíveis. O governo, entretanto, espera justamente o contrário. A iniciativa do governo federal é louvável. Não se pode continuar mais tendo combustíveis vendidos ‘aos olhos da cara’. O único culpado por essa carestia ainda continua sendo o próprio governo federal, que precisa buscar uma política mais eficiente para que a gasolina chegue mais barata ao bolso do consumidor. Falar em zerar o ICMS do combustível é o mesmo que propagar fake news diante da razão da carestia do produto. Se a gasolina, o álcool, o diesel estão caros no Brasil é porque até agora a União não adotou medidas lógicas para conter os constantes aumentos da Petrobras, provocados pela sanha de especuladores que atuam fora do Brasil. Afinal, há anos já dizia o conhecido mote nacionalista: ‘O Petróleo e nosso!’. Ou não é?!!

Café da Manhã

Semelhança

Muitos começam a comparar o ministro do STF, Alexandre de Moraes (foto), ao ex-ministro da Justiça e ex-juiz federal, Sérgio Moro. Moraes tem tido a coragem que boa parte do Judiciário não tem hoje.

Coragem

Alexandre de Moraes chegou a ganhar capa da revista Veja desta semana pela sua coragem em peitar o stablishment federal, numa reportagem intitulada ‘A muralha’.

A perícia

A conclusão que estão se chegando ao caso da deputada federal Joice Hasselmann é que tudo não passou de um mal- entendido da parlamentar, que teria tido uma queda em seu apartamento. É o que deve apontar perícia técnica da polícia.

Indiferença

Sobre a prisão do ex-deputado Roberto Jefferson. Poucos aliados se manifestaram contra ela. A repercussão da prisão foi pequena diante do que se esperava. Pelo menos até o momento.

Cobrança

Já a filha do ex-deputado, a também, ex-deputada Cristiane Brasil cobrou uma ação mais enérgica do presidente Jair Bolsonaro diante do caso.

Nunquis

Bem, o presidente quer a cassação dos ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes. Mas pelo jeito…

Sucesso

Quem nunca ouviu falar da Hot Wheels. Pois é, a marca de brinquedos lançou um novo produto no mercado, que fez o maior sucesso: uma e-Bike elétrica, de R$ 26 mil, e o produto esgotou.

Só faltava!

Alguns supermercados de Goiânia estão dando uma de espertinhos para cima dos seus clientes: cobrando por sacolinhas de plásticos. É hora de boicotar esses que se julgam espertos demais. A hora é agora.

Temporal

E a redução do intervalo da vacina Pfizer, como é que fica?!! Até agora, só dúvidas!

Os 90 anos de dona Almerinda

Dona Almerinda Gomes de Oliveira completa 90 anos de idade hoje. Ela nasceu em 1931, em Itabela, na Bahia, e foi casada com Manoel Reis dos Santos, que faleceu em 2014, com mais de 100 anos. Da união nasceram 12 filhos, 60 netos, 40 bisnetos e 15 tataranetos. O casal se mudou para Goiânia em 1990, após deixar São José da Vitória, na Bahia. Veio direto para o Jardim Curitiba II, na Região Noroeste. Dona Almerinda mora até hoje no mesmo lugar, em sua casa, que comprou para acolher os filhos e netos. É lavradora, conquistou seu pedaço de terra por meio das lutas populares, a Chácara 13-A, onde foi uma das pioneiras na agricultura familiar. No imóvel plantou mandioca, milho, cana-de-açúcar, feijão e montou uma casa de farinha para auxiliar no sustento de toda a família. Dona Almerinda criou muitos netos que ficaram orfãos de pais e mães, lembra o neto Alonso Oliveira. Por isso, dona Almerinda, os nossos parabéns!

Polêmica sobre a eficiência das vacinas

A morte do ator Tarcísio Meira não deixa de expor uma dúvida: a eficiência das vacinas contra a Covid. O ator tomou as duas doses e mesmo assim morreu da doença. Os mais negacionistas apontam suposta ineficiência das vacinas diante da doença. Os não negacionistas defendem a imunização e alertam sobre a necessidade de se continuar com as medidas sanitárias de isolamento, uso de máscaras e assepsia contra o Coronavírus. O certo é que se todos acharem que a vacina previne tudo, a pandemia nunca vai acabar.

Comentários