Cotidiano

Dia Internacional de Atenção à Gagueira reforça a importância da conscientização

A gagueira não tem cura, mas tem tratamento

diario da manha

A fala se desenvolve através de fatores ambientais, neurológicos e fisiológicos. Para que uma pessoa possa desenvolver a fala desde a infância é preciso que esses fatores sejam íntegros para promover a evolução desta etapa tão importante para o desenvolvimento da fala.

Nesta sexta-feira, 22, de outubro é comemorado o Dia Internacional de Atenção à Gagueira, como uma forma de conscientizar sobre esse distúrbio da fluência da fala, tendo o principal objetivo de mudar as atitudes públicas e eliminar a discriminação social em relação às pessoas que gaguejam. É um dia de informação e orientação, onde as pessoas possam entender mais sobre a gagueira e conviver com as diferenças e ter mais empatia.

Segundo a fonoaudióloga Larissa Lima, 27 anos, ao desenvolver a linguagem, a criança passa por um processo acumulativo e progressivo, que é quando a criança passa apresentar habilidades, como o ato de desenvolvimento da linguagem.

A criança do zero aos três meses se comunica pelo choro, dos quatro aos seis meses já começa a ter o balbucio, de sete a onze meses começa a primeira junção de palavras, aos 11 meses já consegue falar palavrinhas, 1 ano e 6 meses já começa a fazer frases de 2 palavras, aos 2 ano consegue fazer frases de duas a três palavras, aos três anos já consegue relatar o viu, aos 4 a 5 anos ela já tem a fala de um adulto com alguns erros na pronúncia.

Desta forma através dos marco do desenvolvimento é possível identificar atrasos que podem interferir nesse progresso da fala. Por isso é muito importante o acompanhamento de um fonoaudiólogo, para identificar esses fatores. 

A fonoaudióloga conta que a gagueira é um distúrbio que não tem cura mas tem tratamento. “A gagueira é um distúrbio complexo que não tem cura, ela tem tratamento. Tratamento com fonoaudiólogo muitas das vezes psicólogo. Através do tratamento ela apresenta uma melhora conseguindo cessa substancialmente a gagueira desse paciente, mas não a cura total.”

Larissa dá algumas dicas para ajudar uma pessoa com gagueira a se sentir mais confiante na sua comunicação:

  • Não completar frases enquanto a pessoa estiver falando;
  • Ter paciência, esperar a pessoa processar e espera o que ela tem a dizer;
  • Manter contato visual e demonstrar interesse quando ela estiver se comunicando;
  • Não pedir para que ela fale devagar ou respirar, pois a gagueira é involuntária;
  • Prestar atenção no que ela está falando e, não nos bloqueios e rupturas da fala;
  • Agir com respeito e empatia.

Leia Também:

Comentários