Cotidiano

Entregador é preso após suspeita em participação de estupro coletivo

Ele foi um dos quatro presos suspeitos por participação do crime

diario da manha

Após suspeita na participação de um estupro coletivo, de uma jovem de 24 anos, um entregador foi preso. O motoboy teria abusado da vítima depois de deixar um pedido na casa, em Praia Grande, no litoral de São Paulo.

Ele foi um dos quatro presos suspeitos por participação do crime. O entregador negou, mas foi detido após ser identificado pela vítima.

O crime ocorreu no dia 24 de outubro, quando a jovem se encontrou com algumas pessoas em uma praia da cidade. Ela saiu com elas até uma adega, onde comprou diversas bebidas alcoólicas. Um dos homens que estavam no local as chamou para irem à casa dele.

A vítima conheceu um rapaz e, já na residência, teria subido para o andar superior para manter relações sexuais com ele, que não consumou o ato. Entretanto, os suspeitos teriam subido, entrado no quarto e estuprado a vítima. A jovem foi retirada do local por um dos rapazes, e depois foi para o Hospital Municipal de Praia Grande, onde recebeu os primeiros atendimentos.

Equipes da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) da cidade cumpriram, com apoio de policiais do Grupo de Operações Especiais (GOE), mandados de prisão temporária contra os suspeitos. As investigações foram comandadas pela delegada, Lyvia Bonella.

De acordo com a delegada que investiga o caso, os abusadores pediram comida por meio de um aplicativo, e quando o motoboy realizou a entregar, ele teria sido então convidado a participar dos atos abusivos que a vítima estava sofrendo. Os outros três presos, confirmaram a participação dele, e a vítima o reconheceu.

De cinco suspeitos, três confessaram que mantiveram relações sexuais com a vítima, mas alegaram que foi consentido, e que ela estava embriagada. Um dos suspeitos, o entregador, negou participação, e o quinto não consumou a relação. Entretanto, a prisão foi realizada, após a vítima reconhecê-los. A polícia reiterou que, em casos em que a pessoa está embriagada, não há condições de consentir, por isso, ela é considerada vulnerável.

Com os mandados de prisão temporária, a equipe da DDM prendeu quatro suspeitos, os três que confessaram e o entregador. Três celulares foram apreendidos.

A roupa da vítima foi encaminhada para o Instituto de Criminalística (IC), e ela fez exames no Instituto Médico Legal (IML), que ajudarão na investigação. O caso foi registrado no plantão do 1º Distrito Policial da cidade, e depois encaminhado para a DDM.

Os quatro suspeitos respondem por estupro de vulnerável, com aumento de pena pelo fato de ter sido coletivo.

*Com informações do G1

Leia Também:

Comentários