Cotidiano

Assaltante e faccionado morrem pós confrontos com a Polícia Militar

.

diario da manha

Dois homens que estavam foragidos da justiça morreram após trocarem tiros com equipes especializadas da Polícia Militar durante o final de semana em Goiás. Os casos aconteceram no interior do estado, e culminaram com as apreensões de duas armas de fogo, e munições.

Em Goianésia, cidade distante 175 quilômetros de Goiânia, militares da Companhia de Policiamento Especializado (CPE) foram acionados depois que três homens, um deles armado, assaltaram uma pamonharia no Bairro Carrilho, de onde levaram R$ 200 em dinheiro. Durante patrulhamento, um dos assaltantes foi localizado na Avenida Mato Grosso, no Centro.

De acordo com a ocorrência registrada pela PM, ao ser abordado, Ueliton Barbosa de Almeida, 35, atirou com um revólver calibre 38 contra os policiais, que revidaram. Mesmo socorrido, ele morreu pouco tempo após dar entrava no hospital da cidade.

Mais conhecido pelo apelido de “bocão”, Ueliton, segundo a polícia, já era um velho conhecido no mundo da criminalidade, tinha condenação, e estava em liberdade provisória, mas por ter rompido a tornozeleira eletrônica que o monitorava, era considerado foragido da justiça. Os dois homens que teriam ajudado ele no assalto à pamonharia ainda não foram identificados.

Cachoeira Dourada
Outro foragido da justiça também morreu após atirar contra policiais da CPE em Cachoeira Dourada, na região sul do estado. Um revólver calibre 38, munições, e um Fiat Strada foram apreendidos após o confronto. A PM não divulgou o nome do foragido, mas afirmou que ele já tinha várias passagens, e seria ligado a uma perigosa facção criminosa que atua em todo o Brasil.

Levantamento feito pelo Diário da Manhã mostra que somente nos 26 primeiros dias de fevereiro, 22 suspeitos de diversos crimes morreram após trocarem tiros com policiais militares em Goiás. Sete confrontos aconteceram em Goiânia, e o restante em cidades do interior do estado.

Rota 190

Preso homem que estuprou a filha e a enteada
Após denunciar em redes sociais que suas sua filha e a enteada tinham desaparecido, mas não ter procurado a polícia para registrar a ocorrência, um homem de 37 anos acabou preso pela Polícia Civil acusado de agressão, e estupro de vulnerável em Bela Vista de Goiás, cidade distante 52 quilômetros da capital. Ao localizar as duas filhas e a esposa dele em Caldas Novas, os policiais descobriram que elas fugiram porque a mulher era agredida, e a filha de oito anos, e a enteada dele, de 18 anos, estavam sendo estupradas há vários anos. Para os policiais, a filha relatou que foi obrigada a se submeter aos desejos sexuais do pai cinco vezes, a última delas, em dezembro do ano passado. Já a enteada relatou que era abusada desde quando tinha cinco anos, e afirmou que nunca contou nada porque o padrasto ameaçava matar toda a família caso alguém soubesse da violência sexual que ela sofria. Para preservar a identidade das vítimas, o nome do tarado, que deve permanecer preso até o julgamento, não foi divulgado.

Vendedora é esfaqueada dentro de shopping pelo ex
Uma mulher de 27 anos ficou com uma faca cravada nas costas, perto do pescoço, depois de ser perseguida e atacada por um homem dentro de um shopping de roupas que fica na Avenida Goiás Norte, no Setor Criméia Oeste, em Goiânia. Apesar do fato ter sido presenciado por várias pessoas, o agressor conseguiu fugir. A vítima, que trabalha como vendedora no shopping, contou que o autor da facada é seu ex-marido, que, inclusive, já havia sido proibido, pela justiça, de se aproximar dela. Apesar de toda a lâmina da faca ter entrado no pescoço dela, a mulher não teve sequelas, e, após passar por uma pequena cirurgia no Hugol, foi liberada. Ela relatou, porém, que mesmo tendo uma medida protetiva, teme que o ex tente matá-la novamente.

Quadrilha roubava residências de luxo em Santa Helena
Nove integrantes de uma quadrilha que roubava residências de luxo em Santa Helena de Goiás, na região sudoeste do estado, foram presos pela Polícia Civil. Até agora, os criminosos já foram reconhecidos em três roubos, mas a suspeita é que eles, que sempre agiam com muita violência, tenham invadido várias outras casas naquela localidade. Um dos presos é técnico em instalação de portões eletrônicos, e, segundo a polícia, era quem facilitava a entrada dos criminosos nos imóveis. Na casa dele, os agentes apreenderam vários controles de portão, pen drives e camisetas da Polícia Civil, o que levanta a suspeita que ele e os comparsas tenham cometido também outros crimes, fora de Santa Helena. Os nove presos, que não tiveram nomes, nem idades e imagens divulgados, responderão por roubo, tráfico de drogas, e associação criminosa.

Comentários