Cotidiano

Quase 3 milhões de pessoas já deixaram a Ucrânia

Cerca de 2,97 milhões de pessoas deixaram a Ucrânia até agora, segundo dados da Agência de Refugiados da ONU (Acnur)

diario da manha
A maioria dos refugiados está em países que fazem fronteira com a Ucrânia (Foto: Agência Brasil)

Em quase três semanas de guerra, o número de pessoas fugindo dos conflitos e dos bombardeios russos na Ucrânia se aproximou de 3 milhões nesta terça-feira (15), afirmou a Organização das Nações Unidas (ONU).

Cerca de 2,97 milhões de pessoas deixaram a Ucrânia até agora, segundo dados da Agência de Refugiados da ONU (Acnur). O órgão está baseando seus planos de auxílio em uma estimativa de 4 milhões de refugiados, mas disse que esse número provavelmente aumentará.

Após o ataque da Rússia no domingo (13) contra a base militar de Yavoriv, perto de Lviv, algumas pessoas no Oeste da Ucrânia se juntaram aos refugiados cruzando a fronteira.

“Todo mundo considerou o Oeste da Ucrânia bem seguro até eles começarem a atacar Lviv”, disse Zhanna, 40, uma mãe de Kharkiv, que se dirigia à Polônia para se reunir com a sua madrinha que deixou a Ucrânia alguns dias antes.

A maioria dos refugiados está em países que fazem fronteira com a Ucrânia – Polônia, Eslováquia, Hungria, Romênia e Moldávia – com mais da metade deles, ou 1,8 milhão, apenas na Polônia.

Um grande número de refugiados começa a se mover mais ainda em direção ao Oeste, com 300 mil chegando à Europa Ocidental, afirmou hoje a Acnur.

Reino Unido impõe novas sanções à Rússia

O Reino Unido anunciou nesta terça-feira (15) uma nova rodada de sanções contra a Rússia que mira oligarcas com patrimônio líquido de mais de 100 bilhões de libras (cerca de US$ 131 bilhões), incluindo Mikhail Fridman, Petr Aven e German Khan.

O governo britânico impôs sanções também a aliados políticos do presidente da Rússia, Vladimir Putin. A lista inclui o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, o ministro de Defesa do país, Sergei Shoigu, e o ex-presidente russo Dmitry Medvedev. Porta-vozes do Kremlin e do Ministério de Relações Exteriores também serão punidos.

“Estamos indo mais longe e mais rápido do que nunca ao atingir aqueles mais próximos a Putin – dos principais oligarcas a seu primeiro-ministro e aos propagandistas que vendem suas mentiras e desinformação”, disse em comunicado a chanceler britânica, Liz Truss, acrescentando que o Reino Unido os responsabiliza por “cumplicidade nos crimes da Rússia” durante a guerra na Ucrânia

O Reino Unido também proibiu a venda de produtos de luxo à Rússia, seguindo o exemplo da União Europeia (UE), e impôs tarifas à importação de centenas de produtos russos.

Noruega
O Norges Bank (o banco central da Noruega) afirmou ontem que vai vender todos os ativos do fundo soberano do país na Rússia, seguindo determinação do ministério da Economia norueguês. Além disso, o “universo de investimento” do fundo já não poderá mais incluir a Rússia, e quaisquer instrumentos financeiros emitidos por companhias, entidades ou o Estado russos deverão ficar congelados “até segunda ordem”.

Ao todo, o fundo soberano da Noruega possui cerca de US$ 3,01 bilhões em investimentos na Rússia. A venda dos ativos, porém, não poderá ser realizada de imediato, uma vez que os mercados russos estão fechados e por conta das “extensivas sanções” ao país, segundo o Norges Bank. “O desinvestimento terá de ocorrer ao longo do tempo”, disse o BC, sem especificar um período.

Comentários