Cultura

Missão em Marte marca história

Há 39 anos aterrizava no planeta vermelho a sonda espacial Viking 2, criando esperanças de vida extra-terrestre

diario da manha

O programa Viking, lançado em 1976 pela NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço dos Estados Unidos), foi uma das mais bem-sucedidas operações espaciais não tripuladas de todos os tempos. Foi a primeira vez que um artefato humano conseguiu pousar na superfície de outro planeta. Apenas a sonda Viking 2 foi responsável pelo retorno de mais de 16 mil imagens da órbita de Marte, contribuindo generosamente com os estudos relacionados ao planeta.

A sonda consistia-se de duas partes, e pesava mais de meia tonelada. Uma dessas partes era o orbitador, que explorou o planeta de forma aérea, girando em torno dele por 706 vezes. A outra parte, o aterrizador, tinha a missão mais ousada de desbravar o planeta através de sua superfície. Eles viajaram acoplados durante 333 dias, quando foram separados para que cada um exercesse sua função. A operação Viking foi a missão espacial mais cara da história, com orçamento estimado em 1 bilhão de dólares.

 Orbitador da sonda espacial Viking
Orbitador da sonda espacial Viking

Revolução espacial

A grande revolução proporcionada pelas sondas foi a descoberta de indícios de água em marte. Imagens revelaram muitas formas geológicas que usualmente existem pela movimentação de grandes quantidades de água. A extensa documentação fotográfica também revolucionou o imaginário das pessoas em relação ao espaço, desvendando muitos mistérios e apresentando materialmente a configuração visual de outro planeta.

Apesar do grande avanço nos estudos sobre o Planeta, e no impulso que as sondas Viking deram para os estudos espaciais em geral, houve uma certa frustração às esperanças de se encontrar vida em Marte. Apesar de dados intrigantes terem sido encontrados no início da operação, nada de conclusivo, que comprovasse a existencia de vida em algum momento da história do planeta, foi enviado à Terra pela Viking 2.

Utopia Planitia

Em latin, as palavras utopia planitia significam juntas ‘plánície de lugar nenhum’. Essas palavras foram utilizadas para denominar uma uma região do planeta marte, chamada de bacia de impacto (uma espécie de cratera aberta com algum corpo externo ao planeta Marte). É considerada a maior do sistema solar, e foi o local onde a sonda Viking 2 aterrisou no planeta vermelho em 3 de setembro de 1976.

As imagens enviadas pela sonda espacial Viking 2 da região onde pousou serviram para que uma familiaridade fosse criada com a estrutura da crosta daquele planeta. O cenário interplanetário revelado pela sonda também serviu de inspiração para vários artistas que a referenciaram na indústria cultural.

Na série de ficção científica Star Trek, Utopia Planitia é citada como o maior estaleiro de criação e reparação de naves da frota estelar daFederação dos Planetas Unidos. Outra referência à Utopia Planitia pode ser encontrada no disco conceitual Yoshimi Battles the Pink Robots, da banda norte-americana de neo-psicodelia Flaming Lips. O álbum é centrado em elementos de ficção científica. Há no álbum uma canção chamada “Approaching Pavonis Mons by Balloon (Utopia Planitia) ”.

Viking 2
Utopia Planitia, região de Marte onde a sonda Viking aterrissou. Primeira imagem em cores já feita do Planeta

Comentários

Mais de Cultura

26 de junho de 2019 as 14:42

Sol em Câncer e a cura emocional

14 de junho de 2019 as 19:24

GIRO PELA FIEG

12 de junho de 2019 as 08:50

Quíron, o segredo da cura

11 de junho de 2019 as 08:36

Questão Social: Um breve olhar

7 de junho de 2019 as 08:46

Astrologia; seja bem-vindo, junho!

30 de maio de 2019 as 08:46

Alego promove seminário de Turismo

28 de maio de 2019 as 09:17

Festa junina no Goiânia 2

16 de maio de 2019 as 11:29

Vênus entra em Touro