Cultura

Disco de carne e breja: uma combinação infalível

diario da manha

Patrimônio cultural da gastronomia goianiense, o famigerado disco de carne é um prato que vai bem com aquela cerveja geladíssima que bebemos quando batemos o ponto e ganhamos o habeas corpus provisório do trabalho. A honraria por essa tradição gastronômica não é um mero exagerado deste escriba que vos fala e, a partir disso, recomendo enfaticamente para o amigo aí do outro lado que se dirija ao glorioso Bar da 12, na Vila Itatiaia, região norte de Goiânia, para prová-lo.

Você deve estar se perguntando, mas por que devo andar tanto assim por um disco de carne? Ora, é bem simples, e tenho certeza de que meu argumento irá convencê-lo a deslocar-se para esse templo da sabedoria bebum de nossa cidade: é lá que rola o mais saboroso disco de carne de todas as instituições etílicas que perduram – para a nossa felicidade, amém – na capital goianiense. Lembre-se disso quando pintar aquele convite para biritar com os brothers nesta pesada terça-feira.

Para celebrar o popular prato, vou há dois anos ao Bar da 12. Recheado de história e personagens ilustres que se misturam entre estudantes da UFG e trabalhadores, o estabelecimento conta também com uma clássica mesa de sinuca no centro e uma pinga conservada em canela. Pois, quem vai prestigiar o boteco precisa provar a bebida carro-chefe que nasceu das mãos de Leandro, esmeraldino e dono do glorioso boteco da 12 – como é chamado pelos mais íntimos.

A iguaria e a bebida são tão prestigiadas pela clientela da casa que os donos têm de preparar o prato várias meses ao dia, e a mesma coisa acontece com o destilado genuinamente goiano – que cai ao estômago como uma paulada, se beber em jejum. A receita de Leandro e Silvana, esposa dele que também toca o bar, possuem pequenas sutilezas, que deixam o salgado com um sabor único entre todos os outros que estão a nossa disposição na praça. A começar pelo toque apimentado.

Diferentemente de outros bares e lanchonetes, o disco de carne do Seu Leandro e da Dona Silvana contam com alto poder de sustância. Para fazê-lo, é preciso mais ou menos um quilo de carne moída, de preferência coxão mole ou músculo, para deixar a receita mais em conta. Em seguida, tempere a carne com cebola picada, pimenta do reino, azeite e sal. Além disso, prepare a carne e a separe em bolinhas de 200 gramas, que é do tamanho de uma bola de tênis.

Em tempos gourmetizados, instituições etílicas que primam pela áurea raiz são cada vez mais raras e devem ser contemplada por nós. Felizmente, ainda temos o consolo de encontrar esses lugares, que toleram o cliente atirar bitucas de cigarro no chão sem ser reprimido e o preço do litrão é barato, de vez em quando.  O bar da 12 é a tradução do que é a Vila Itatiaia. Recomendo.

Bar da 12

Quando: terça a domingo, das 12h às 23h (exceto nas sextas)

Onde: Rua 12, Vila Itatiaia, próximo ao colégio Waldemar Mundim

tags:

Comentários