Cultura

Edital do BB para patrocínio no cinema pergunta se há "cenas de nudez ou sexo" nos filmes

Formulário para patrocínio também questiona sobre 'cunho religioso ou político' da obra; sindicato critica 'clara tentativa de censura'

diario da manha
Foto: reprodução

A BB DTVM, subsidiária do Banco do Brasil, abriu nesta segunda-feira, 12, um edital para seleção de projetos de audiovisual de longa-metragem que receberão investimentos da empresa via Lei do Audiovisual.

O documento ainda questiona se “A obra tem cunho religioso ou político?”; “A obra faz referência a crimes, drogas, prostituição ou pedofilia?” e se “serão exibidas cenas de nudez ou sexo explícito?” na obra.

Em julho, durante a transição do Conselho Superior de Cinema para a Casa Civil, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que não podia “admitir filmes como Bruna Surfistinha com dinheiro público”. E disse que a Ancine sofreria “filtros” por parte do governo e inclusive, buscaria a extinção do órgão.

Pouco após a publicação do edital, o Sindicato dos Bancários de SP, Osasco e Região criticou o documento

“Nós não queremos nem censuraremos ninguém, mas não admitiremos que a Ancine faça peças ditas culturais que vão contra os interesses de nossa tradição judaico-cristã”, afirmou Bolsonaro na ocasião.  

Pouco após a publicação do edital, o Sindicato dos Bancários de SP, Osasco e Região criticou o documento e acusou o governo de tentar “censurar” o cinema do país. 

“É um absurdo o governo usar o Banco do Brasil para aplicar esta clara tentativa de censurar, através da força do dinheiro, o cinema brasileiro. Se um filme aborda uma temática relacionada a uma religião diferente da do presidente, não poderá ser realizado? Vários filmes brasileiros com cenas de nudez são premiados internacionalmente! O BB deveria zelar pela pluralidade de ideias e de temas. Vetar que empresas públicas financiem obras cinematográficas devido ao seu conteúdo é uma clara tentativa de censura”, disse João Fukunaga, secretário de assuntos jurídicos do órgão. 

Propaganda do Banco do Brasil retirada do ar

Em abril, Bolsonaro mandou retirar do ar uma campanha publicitária do Banco do Brasil marcado pela diversidade e juventude dos personagens, com atores que representavam a diversidade racial e sexual.

A campanha trazia jovens com tatuagens, negros e uma personagem transexual. Além da retirada da propaganda, o episódio também levou à demissão do então diretor de Comunicação e Marketing do BB, Delano Valentim

Na época o Banco do Brasil afirmou que o presidente da instituição, Rubem Novaes, concordou com Bolsonaro sobre a necessidade de retirar do ar a peça publicitária.

Com informações da Veja.

Comentários

Mais de Cultura

26 de junho de 2019 as 14:42

Sol em Câncer e a cura emocional

14 de junho de 2019 as 19:24

GIRO PELA FIEG

12 de junho de 2019 as 08:50

Quíron, o segredo da cura

11 de junho de 2019 as 08:36

Questão Social: Um breve olhar

7 de junho de 2019 as 08:46

Astrologia; seja bem-vindo, junho!

30 de maio de 2019 as 08:46

Alego promove seminário de Turismo

28 de maio de 2019 as 09:17

Festa junina no Goiânia 2

16 de maio de 2019 as 11:29

Vênus entra em Touro