Cultura

Fotografia: um clique a contar histórias

Sebastião Salgado viajou mais de 130 países e foi radicado em Paris e reconhecido mundialmente como um dos fotojornalistas mais talentosos do mundo

diario da manha
Foto: Sebastião Salgado

O uso da fotografia para documentar fatos e contar histórias é bem antigo. A câmera fotográfica foi inventada no século XIX, e revoluciona a sociedade desde então. No Brasil, Sebastião Salgado é o principal representante da fotografia no aspecto documental.

Além disso, os trabalhos documentais de Sebastião Salgado ajudaram a contar a história do país a partir de 1973. Com isso, um de seus trabalhos mais marcantes foi o da Serra Pelada, no auge da exploração do ouro em 1986. No entanto, os trabalhos realizados naquela época foram divulgados somente em 2019, 33 anos após o fim da Ditadura Militar.

No entanto, a atuação do fotojornalista não se limita aos registros documentais. Pois a sensibilidade deste profissional para captar cenas e emoções vai além do que retratado através das lentes de uma câmera fotográfica.

Neste sentido, a fotografia pode ser compreendida e contextualizada como um jogo de luzes, sombras e enquadramentos. Pois, a história que lá contada, sempre ganha um determinado viés de acordo com o ponto como é observada. Com isso, determinados itens ganham mais relevância que outros e vice-versa. Assim, suas perspectivas podem sempre ser alteradas para que se coloque no lugar do elemento naquela situação.

Assim, o fotojornalismo e a fotografia em si atuam na formação de um acervo histórico e cultural acerca de algo ou alguém. Deste modo, seu uso é amplamente aplicado em fotografias de guerra, cotidiano, nascimento e vários outros estilos.

Comentários