Cultura

Artista goiano é destaque na Mostra de Artesanato SenadoArtit em Brasília

O evento é uma realização da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), em parceria com o Sebrae e a Associação Brasileira dos Sebrae Estaduais (Abase) e tem como objetivo de promover a internacionalização da economia criativa, da gastronomia e do turismo como indutores do desenvolvimento regional

diario da manha
Artista usa como matéria prima, areia colorida da Serra Dourada

Encerrou nesta quinta-feira, 02, em Brasília, a edição da Mostra de Artesanato, onde durante esses dois dias, o hall de entrada do Senado Federal deu espaço à exposição de uma série de produtos de arte, artesanato e culinária das regiões Sul e Centro Oeste. O evento é uma realização da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), em parceria com o Sebrae e a Associação Brasileira dos Sebrae Estaduais (Abase), com objetivo de promover a internacionalização da economia criativa, da gastronomia e do turismo como indutores do desenvolvimento regional. A Mostra já contemplou as cinco regiões brasileiras, trazendo ao Senado artesanato, comidas típicas e produtos típicos regionais de todo Brasil.

Mostra de Artesanato das Regiões Sul e Centro-Oeste SenadoArtit, em Brasília

Um dos destaques evento foi o artista vilaboense, Auriovane D’Ávila, que com mais de 30 anos de carreira, é hoje um dos artistas regionalistas da atualidade que mais vem se destacando no Brasil e exterior, com sua arte peculiar e surpreendente de representar em suas telas, o cotidiano e costumes do cerrado, usando com matéria prima, areias coloridas naturalmente extraídas da Serra Dourada.

Auriovane D’Ávila é natural da Cidade de Goiás, antiga capital do estado, berço da cultura goiana e Patrimônio Cultural da Humanidade. Foi na antiga Vila Boa, onde vive e mantém seu ateliê, que ainda na infância deu seus primeiros passos nos estudos na Escola de Belas Artes, fundada pela renomada artista plástica Goiandira do Couto. E foi da ilustre professora e artista que ele conheceu uma técnica, criada por ela nos anos 60, que determinaria os rumos de sua carreira: a pintura com areia sobre tela.

Ao dominar esse método peculiar, foi aperfeiçoando de forma extrema ao longo dos anos, onde o artista consegue manipular a matéria prima – areia, rochas e pedras coloridas – e transformar em obras extremamente complexas até mesmo para uma técnica a pincel. Ele faz toda está proeza com as pontas dos dedos, dosando porções exatas de areia colorida e cola, dando o efeito de sombreado preciso.
A matéria prima, Auriovane encontra na natureza. É da vasta formação geológica da Serra Dourada, nos arredores da antiga Vila Boa, por meio de uma coleta consciente que encontra pedras soltas. São dessas rochas que o artista extrai as centenas de tonalidades de areia. Depois anos de pesquisas e andanças pela Serra, hoje ostenta uma coleção de quase 500 tons naturais. “A formação geológica da Serra Dourada permite que a extração das areias das rochas alcance cores e tons inimagináveis”, diz Auriovane.

O Mago das Areias, como é conhecido pela crítica, brindou o público que passou pela mostra com uma de suas mais famosas telas, onde retrata a também ilustre vilabelense, Cora Coralina em uma trivial cena do cotidiano bucólico onde nasceu e cresceu a formosa escritora. A obra faz parte do acervo particular do advogado Gildo Faustino que gentilmente cedeu ao seu criador, para que pudesse ser exposta no Congresso Nacional.

Obra exposta por Auriovane retrata a famosa poetisa goiana, Cora Coralina

O evento é uma realização da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), em parceria com o Sebrae e a Associação Brasileira dos Sebrae Estaduais (Abase), com objetivo de promover a internacionalização da economia criativa, da gastronomia e do turismo como indutores do desenvolvimento regional. A Mostra já contemplou as cinco regiões brasileiras, trazendo ao Senado artesanato, comidas típicas e produtos típicos regionais de todo Brasil.

A presidente da CRE, senadora Kátia Abreu (PP/TO), destacou que o objetivo agora é levar a Mostra a outros países para apresentar a diversidade brasileira e fomentar o turismo. “Com ajuda dos embaixadores vamos apresentar esse evento para o mundo e o primeiro país será Portugal. Agradeço ao Sebrae e a Abase que nos ajudaram a estimular o desenvolvimento e o acesso ao conhecimento em todas as regiões por onde passamos com esse projeto”, afirmou.

O diretor técnico do Sebrae, Bruno Quick, enalteceu a sensibilidade da senadora Katia Abreu ao dar visibilidade ao trabalho de todos os artesãos brasileiros. “Ao longo desse projeto assistimos uma sensibilidade refinada, um senso de oportunidade e a capacidade de realizar da senadora. Através de sua iniciativa, podemos fechar esse circuito que deu luz aos mais de oito milhões de artesãos de todo país”, observou Quick. Segundo ele, eventos como esse, focados na qualidade da experiência do público, são tendência em todo mundo. Bruno também pontuou a necessidade de profissionalizar a mão de obra dos empreendedores da economia criativa no país.

Eliane Ribeiro, vice-presidente da Abase Centro-Oeste, salientou que através da realização da Mostra de Artesanato das regiões brasileiras é possível aprofundar o conhecimento sobre a cultura, a identidade e as riquezas do país. “Nosso Brasil é muito grande, há muito que ser descoberto, valorizado e experimentado. Agradeço a senadora por abrir esse espaço dentro do Legislativo”, disse.

Para Luciano Pinheiro, vice-presidente da Abase da região Sul, o evento é uma forma de valorizar “os primeiros empreendedores” que surgiram no país. “Muito antes de termos CNPJ, empresas formalizadas, tínhamos os primeiros empreendedores do nosso país, os artesãos, as pessoas que cozinham fora do lar, os artistas de rua e tantos outros que já movimentavam a economia”, relembrou.

Comentários