Home / Cultura

Cinema

Como 'Love Lies Bleeding', com Kristen Stewart, desafia os filmes lésbicos de época

Filme mistura suspense, sangue e humor para retratar paixão tórrida vivida no deserto de Nevada, nos Estados Unidos

Atriz Katy O´Brian atua no filme neonoir lésbico que vai na contramão de homofobia - Fotos Divulgação Atriz Katy O´Brian atua no filme neonoir lésbico que vai na contramão de homofobia - Fotos Divulgação

Corpos suados com músculos definidos e veias à flor da pele, a academia é um bom lugar para o flerte. Especialmente em uma cidade no meio do deserto de Nevada, na década de 1980. É lá que a nova personagem de Kristen Stewart, Lou, irá se apaixonar violentamente –ao pé da letra– por uma fisiculturista

Agindo quase como um determinismo geográfico para filmes que misturam assassinatos e paixão, o cenário desértico impediu que "Love Lies Bleeding", de Rose Glass, fosse apenas romântico. Com uma mixagem tarantinesca de violência, suspense e humor, o filme é um neonoir lésbico que vai na contramão da produção de filmes de época ou centradas na homofobia que ebuliu a partir de 2013, com o polêmico "Azul É a Cor Mais Quente" e "Carol", de Todd Haynes.

"Estamos na época e no lugar dos Estados Unidos em que acontecem esses filmes de suspense. A paisagem, as lanchonetes e os amantes com armas são familiares", diz Glass por videochamada, sem negar suas referências que vão de "Coração Selvagem", de David Lynch, e "Assassinos por Natureza", de Oliver Stone, ao clássico "Bonnie e Clyde".


		Como 'Love Lies Bleeding', com Kristen Stewart, desafia os filmes lésbicos de época
Amor ardente: Katy O´Brian e Kristen Stewart. Foto: Divulgação


E, segundo a diretora, ninguém melhor que Kristen Stewart para o papel. "Adoro ela como galã mal-humorada", diz. O título foi conferido a atriz desde "Crepúsculo", a saga juvenil vampiresca que virou febre na década de 2010 e que lançou ela e Robert Pattinson ao sucesso.

Depois disso, Stewart provou a Hollywood que seu talento ia além do frenesi adolescente. A atriz veio acumulando papéis em filmes independentes até ser aclamada por dar vida à princesa Diana em "Spencer", de 2021. Stewart também se declarou bissexual, rompendo de vez com a mocinha e se tornando um símbolo queer nos Estados Unidos.

"Ela teve essa plataforma enorme com ‘Crepúsculo’ e agora pode usar esse sucesso para contar as histórias que quer contar", diz Katy O’Brian, que dá vida a Jackie, o par romântico de Stewart em "Love Lies Bleeding". "É preciso coragem, quando se está em destaque na mídia, para sair do armário. E [Stewart] faz isso mostrando o dedo do meio, sabe?"

A tensão sexual entre as duas rendeu burburinhos nas redes sociais e alguns ensaios fotográficos sensuais de Stewart, com e sem O’Brian, para revistas como Them, Variety e Rolling Stone. No filme, Lou leva uma vida tediosa como gerente de academia depois de romper com o pai, o poderoso chefão do tráfico de armas na região.

Jackie fugiu de casa para participar de uma competição de fisiculturismo em Las Vegas. Basta uma noite para que as duas se apaixonem e Jackie se mude com Lou, que tira as gemas de seus ovos todas as manhãs e lhe dá esteroides. Também não demora para que elas se envolvam em uma série de assassinatos para ficarem juntas, conforme suas histórias pregressas são reveladas para darem caldo ao romance.

"Não é o tipo de filme lésbico com lindos vestidos compridos e olhares furtivos. Eu queria algo mais úmido, violento, sombrio e engraçado", diz Glass. Ela se refere aos filmes de época que se tornaram populares entre aqueles que retratam mulheres que amam mulheres. A longa lista inclui "Carol", baseado no livro de Patricia Highsmith, "Retrato de uma Jovem em Chamas", de Céline Sciamma, "A Criada", de Park Chan-wook, e "Ammonite", com Kate Winslet.

Antes, um marco para o gênero foi "Corações Desertos", de 1986, primeiro filme a retratar uma relação entre mulheres de forma positiva. O longa custou a ser filmado devido à desaprovação dos estúdios da cena de sexo. Nas décadas de 1990 e 2000 surgiram algumas produções mais alegres, como "DEBS", "Nunca Fui Santa" e "Imagine Eu e Você".

Foi só a partir de 2010 que filmes LGBTQIA+ ganharam mais espaço nos serviços de streamings e nos cinemas. Histórias que acontecem em um passado mais rígido conferem emoção extra aos romances proibidos —e também reivindicam experiências que já aconteciam no passado, apesar de não serem contadas em suas épocas.


		Como 'Love Lies Bleeding', com Kristen Stewart, desafia os filmes lésbicos de época
Foi só a partir de 2010 que filmes LGBTQIA+ ganharam mais espaço nos serviços de streamings. Foto: Divulgação


"É interessante mostrar que lésbicas sempre existiram", diz Juliana Rojas, diretora de "As Boas Maneiras" e uma das juradas da Palma Queer de Cannes neste ano. De época ou não, os enredos acabam centrados na proibição do romance ou na homofobia, com exceção da comédia "Clube da Luta para Meninas", lançada em 2023, e agora em "Love Lies Bleeding", em que ser lésbica é o último dos problemas de Lou e Jackie. Elas pegam em armas, cometem crimes e fazem sexo, sem pensar muito sobre a última atividade.

"Nossa sexualidade não é um conflito na história, mas sim nosso comportamento. Foi excitante interpretar essas anti-heroínas, duas mulheres imperfeitas", diz O’Brian. "Em filmes de ação, essa costuma ser uma história reservada a casais heterossexuais ou a dois caras."

No Brasil, são poucos os filmes lésbicos e menor ainda os títulos que tiveram destaque, como "Flores Raras", que levou às telas o romance entre a arquiteta Lota de Macedo, vivida por Gloria Pires, e a poeta Elizabeth Bishop.

"[Hollywood] está muito na frente. Histórias de mulheres que amam mulheres estão indo agora para outros eixos, como terror e suspense", diz Ana Cavazzana, diretora e fundadora do Bee Festival, primeiro de cinema lésbico no Brasil. Segundo ela, as novelas, com mais apelo popular, tem mostrado mais casais de mulheres.

[Hollywood] está muito na frente. Histórias de mulheres que amam mulheres estão indo agora para outros eixos, como terror e suspense Ana Cavazzana, diretora e fundadora do Bee Festival

"O audiovisual brasileiro é ainda predominantemente escrito e dirigido por homens brancos cis", diz Rojas. A baixa representatividade se soma ao preconceito com o tema. "Um romance LGBTQIA+ é considerado de nicho, enquanto um romance heterossexual é para toda a família."

O'Brian comemora a recepção do público. "Ultimamente, a campanha tem sido para que as pessoas voltem a ir aos cinemas. Estão tentando fazer isso contando histórias interessantes e únicas, espero", diz. Seus músculos recebem uma atenção especial das câmeras, uma resposta de Glass à demanda por mulheres mais fortes nas telas.

"O mundo em que se passa esse filme é estranho e permite que você seja ousado", diz Glass. "O que eu gosto do cinema é a possibilidade de transformar algo emocional em algo visível, e quando estamos apaixonados os sentimentos parecem monumentais."

Mais vídeos:

  • Música

    "Pô, gringo não sabe jogar nas ancas", diagnostica cantora Sandra Sá

    Diva do funk e soul brasileiros, cantora vocaliza o sonho de um país mais igualitário. DM mostra o que é possível esperar da artista em show que fará no Fica

    Publicado quinta-feira, 13 de junho de 2024 - 15:08

    / Atualizado sexta-feira, 14 de junho de 2024

Leia também:

edição
do dia

Capa do dia

últimas
notícias

+ notícias