Home / Cultura

Show

Sandra Sá leva balanço funkeado e consciência antirracista para Tim Music

Apresentação será um passeio pela sua trajetória, desde os anos 80 até “Liberô Geral”, do ano passado

Apresentação será passeio pela vasta discografia da artista, iniciada nos anos 80 - Foto: Divulgação Apresentação será passeio pela vasta discografia da artista, iniciada nos anos 80 - Foto: Divulgação

Rola um som black, funkão sacolejante, balanço ondulante e irresoluto, guitarra destacada, abrilhantada, elegante, acordes nem exagerados nem simplistas. Baixo incendiando grooves flutuantes, lindeza soul. Bateria baqueteando compassos funcionais. É arrepiante, o negócio.

Sandra Sá, a voz grave que canta enquanto escrevo, tem hora marcada conosco. Ouviu, balançou – esse é o lance. Daqui a três dias, a cantora carioca aportará em Goiânia para subir ao palco do festival Tim Music, no Oscar Niemeyer. Iza, Hungria, Marcelo Falcão, Gilsons e Luiza Martins – além de músicos goianos – também integram o line-up do evento gratuito.

Dias depois, Sandra se apresentará no Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica). Fará show de suingue black e brasilidade suburbana. Será um estiloso sextou, dia 14. Esses elementos – somados às letras sociológicas – hão de confirmar por que é a grande diva do soul temperado mas residido nas palavras faladas em bom português from Brasil.

A cantora selará a união entre R&B e soul. Transará – vai saber? – com o funk. Talvez namorará a música disco. Sabe-se de uma coisa, todavia: o que assistiremos nas duas datas atende pelo nome de Música Preta Brasileira, termo lavrado nos anos 90 pela compositora nascida em Pilares, zona norte do Rio. Sai do pretérito para o futuro, essa Sandra Sá.

Quando apareceu no Festival MPB-80, Sandra deixou o público impressionado ao interpretar o funk “Demônio Colorido”. Era uma das maiores revelações de nossa música. Poucas vozes femininas – e negras – se aventuraram fora do universo sambístico. Pensando por um instante, chega-se ao nome de Alaíde Costa. Ela é, todavia, identificada com a bossa nova (um tipo de samba, claro), embora tenha participado do elepê roqueiro “Clube da Esquina”.

Sandra demonstrava insegurança. Ou, então, coragem. Quase graduada em psicologia (fizera nove períodos antes de passar para o MPB-80), chutou pro alto a universidade. Cresceu ouvindo Tim Maia – mestre do soul –, mas curtia também Hyldon e Cassiano – dois nomes fortes do estilo. Em 1980, lançou o primeiro disco da carreira, “Demônio Colorido”, obra que não está disponível no streaming e, portanto, é a queridinha dos sebos goianienses.

Macau chorou pra caramba. Ficou com o olho vermelho de tanto chorar Sandra Sá, cantora

Dados consultados pela reportagem na plataforma Spotify informam que Sandra conta com 851.717 ouvintes mensais. Enquanto o leitor está com o Diário da Manhã nas mãos, lendo este texto, alguém há de estar ouvindo o suingue envolvente da artista e, com raiva dos racistas e querendo combatê-los, vocaliza que “meu cabelo enrolado/ todos querem imitar”.

Escrito por Macau, o funk “Olhos Coloridos” abre o disco “Sandra de Sá”, lançado em 82. Disco e música lhe puseram dentre os principais nomes do boogie nacional. Foi produzido por Durval Ferreira, com Lincoln Olivetti (teclados), Robson Jorge (guitarras), Peninha (percussão), Serginho do Trombone e Mamão (bateria). Fábio “Bandido”, como Sandra o apelidou, gravou o baixo no álbum.

Há um groove deliciosamente flutuante nas quatro cordas. Com essa linha inconfundível tocada no baixo, tornou-se hino do orgulho preto. Sandra costuma dizer, em entrevistas, que “Olhos Coloridos” não fala sobre ficar doidão. Nem traz mensagem acerca de colorações, mas provoca – isso sim – reflexão sobre a discriminação racial. “Macau chorou pra caramba. Ficou com o olho vermelho de tanto chorar”, conta a artista, no “Papo com Clê” (Youtube).

Segundo a cantora, o compositor sofreu racismo numa exposição, no Rio de Janeiro. “Inclusive, disse que não queria ir, mas um amigo insistiu. Veio o segurança: ‘tô observando que você tem atitude suspeita’. E ele: ‘como?’ Foi nessa que saiu ‘você ri do meu cabelo, da minha roupa’. Tomou porrada. Tipo assim, ainda foi preso por desacato. Enfiaram ele num camburão.”


		Sandra Sá leva balanço funkeado e consciência antirracista para Tim Music
Artista criou disco essencial para black music brasileira. Foto: Divulgação


Suingue

Emblemático na discografia da black music brasileira, “Sandra de Sá” clama contra as mazelas sociais pelo viés de um suingue à la James Brown. O repertório conta ainda com a balada “Ousadia”, parceria de Sandra com Fafy Siqueira, além do funk “Preciso Urgentemente Falar com Cassiano” e do blues “Amor Meu” – pra ficar só em duas faixas. Dentre os compositores escalados (uma seleção, diga-se), estão Luiz Melodia, Gastão Lamounier, Fábio e Tunai.

Sandra afirma que confia no próprio taco. “Se eu confio em mim, brother, aí é comigo mesmo. Eu vou sair, vou entrar. Eu sei o que faço. Cara, e eu vou falar mesmo. As pessoas perguntam: ‘depois dessa tua trajetória, desse tempo de carreira, o que você diria pra você?’ Brother, vou falar. Vou falar, e segure a onda: ‘eu sou foda’. E é isso”, define-se a artista, em cujo primeiro disco contou com o saxofone de Oberdan Magalhães, da banda Black Rio.

Espalhando “uma onda negra de amor” a partir da música, trancafiou-se no estúdio para produzir o disco “Vale Tudo”, publicado em 83. Recebeu, então, uma fita K7. Havia ali uma canção que viria a se tornar um hit matador: “Vale Tudo”. Mas seria possível Tim Maia, já proclamado rei do soul brazuca, mandar algo para que uma jovem artista fosse gravar?

Não só foi, como Tim quis fazer um dueto com Sandra. Era um single certeiro, desses que serão conhecidos na posteridade pelos nossos filhos e netos. Nelson Motta, autor da biografia “Vale Tudo - O som e A Fúria de Tim Maia”, disse que o artista estava à vontade no estúdio. Também, pudera: Lincoln Olivetti lhe escrevera um arranjo sob medida para ser executado pela afinadíssima Black Rio.

“Sandra quase chorou com a levada irresistível e com os ataques dos metais; ficou só ouvindo, demorou para começar a cantar e o fez com grande esforço. O tom do arranjo estava muito agudo para o contralto dela, claro, havia sido escrito para o tenor de Tim. Mas ela jamais ousaria pedir que Lincoln regravasse o arranjo e que Tim abaixasse seu tom e cantasse no dela. Ele era o convidado, o rei, o ídolo”, narra Nelson, na biografia.

Depois disso, Sandra lançou ainda outros dez discos, dentre os quais “Pare, Olhe, Escute!” (2002) – no qual interpreta sucessos da Motown. O show no Tim Music, portanto, será um passeio pela trajetória artística da carioca desde os anos 80, quando debutou no cenário musical brasileiro, até “Liberô Geral”, lançado no ano passado. Esperamos Sandra Sá.

TIM MUSIC

Sábado, 8

Pedra Bruta, Maduli

Maíra, Banda Madá

Sandra de Sá,

Luiza Martins e IZA

Domingo, 9  

Banda 7meia2,  DJ Múcio l

Mario Broder, I Gilsons

Marcelo Falcão, Hungria

Entrada franca

Portões abrem às 16h

Mais vídeos:

  • Música

    "Pô, gringo não sabe jogar nas ancas", diagnostica cantora Sandra Sá

    Diva do funk e soul brasileiros, cantora vocaliza o sonho de um país mais igualitário. DM mostra o que é possível esperar da artista em show que fará no Fica

    Publicado quinta-feira, 13 de junho de 2024 - 15:08

    / Atualizado sexta-feira, 14 de junho de 2024

Leia também:

edição
do dia

Capa do dia

últimas
notícias

+ notícias