DM Autos

Fiat Uno se despede do mercado com um "Ciao" em italiano

Série especial com 250 unidades marca o fim do ciclo de um ícone.

diario da manha

O Fiat Uno se despede do mercado brasileiro em italiano. O modelo não dá Adeus, mas sim um “Ciao” com a série especial limitada a 250 unidades depois de 37 anos em produção. A lembrança custa R$ 85.000.

Homenagear o Uno com uma série especial na sua despedida foi melhor e honrosa forma que a fabricante encontrou para marcar o fim do ciclo do modelo compacto. É o fim de um ícone da indústria automotiva nacional.

Fabricado de forma ininterrupta desde agosto de 1984 no Polo Automotivo de Betim (MG), o Fiat Uno acumula 4.379.356 milhões de unidades produzidas. Agora, a longa e vitoriosa história termina com o bastismo de Uno Ciao.

“Ao longo dos seus 37 anos de mercado, o Uno se tornou um ícone e marcou a vida de milhões de brasileiros. Por tudo que ele representa para a marca e para a história da indústria automotiva, a sua despedida teria que ser à altura, mas em clima de celebração”, disse Herlander Zola, diretor do Brand Fiat América do Sul e Operações Comerciais Brasil.

Não é Adeus, é Ciao

O Uno foi o veículo mais vendido da Fiat na América do Sul, além de ter sido pioneiro em muitos quesitos durante toda a sua trajetória. “É justamente essa vocação de inovação e modernidade que vamos manter viva na gama atual e futura da Fiat, sem dúvidas, iremos honrar o legado deste ícone. Por isso não damos ‘Adeus’, mas sim ‘Ciao'”, complementa Herlander Zola.

A série especial é numerada com um emblema que identifica a unidade e marca a despedida do carro mais querido dos brasileiros. A configuração é exclusiva, para honrar fãs e colecionadores.

Todas as unidades são pintadas exclusivamente de Cinza Silverstone, com teto, retrovisores externos e spoiler traseiro pintados de preto. As portas têm maçanetas na cor do veículo e um adesivo lateral com o nome Uno Ciao acompanhado da frase “La Storia Di Una Leggenda” — “a história de uma lenda” em italiano.

O visual marcante é complementado por exclusivas rodas de liga leve escuras de 14 polegadas e o logo UNO nas cores da Itália à esquerda da tampa do porta-malas. Por dentro, o Uno Ciao adota um padrão mais escurecido e acabamento bicolor em tons claros nas portas e na faixa central que cruza o painel.

Numeração exclusiva

Nessa faixa fica a plaqueta numerada, de 001 a 250, aferindo ainda mais exclusividade. Destaque também para os bancos com acabamento único e apoio de braço para o banco do motorista. O Uno Ciao é um presente para todos que, de alguma maneira, tiveram o Uno participando de sua vida.

A lista de equipamentos, um dos atributos históricos do modelo, segue longa. Há ar-condicionado, direção hidráulica, quadro de instrumentos com tela de LCD, computador de bordo, sistema de som com rádio bluetooth e entrada USB, airbag duplo, travas e vidros elétricos dianteiros com one touch e antiesmagamento.

O Fiat Uno Ciao traz ainda na lista de equipamentos gancho universal para fixação cadeira infantil (Isofix), limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro, freios ABS com EBD, cinto de três pontos e encosto de cabeça para todos os ocupantes, bancos traseiros bipartidos e rebatíveis.

No teto o Uno Ciao leva o exclusivo porta-objetos superior com retrovisor central adicional, ideal para monitorar crianças e pets no banco traseiro.

Nestes 37 anos o Uno desempenhou um papel crucial para os negócios da Fiat no país. Ele rapidamente se tornou sinônimo de robustez, versatilidade, eficiência e confiança, conquistando gerações de clientes e consolidando seu lugar na história.

Fiat Uno

Coube ao Uno o pioneirismo de diversas tecnologias na indústria. Sua carroceria sempre aliou design com versatilidade, sendo capaz de entregar espaço interno, visibilidade e conforto inigualáveis que revolucionaram o segmento. Tanto que, na sua chegada (1984), o modelo inaugurou o conceito “Pequeno por fora, Grande por dentro”.

Em 1987 chegou o Uno 1.5 R, o Fiat mais rápido da marca, que fazia de 0 a 100 km/h em 12 segundos. O papel do Uno na democratização da mobilidade é indiscutível. Em 1990, ele foi o primeiro carro do Brasil com motor 1,0 litro, mais um ineditismo da marca. Compacto, leve e espaçoso, ele permitiu que milhões de brasileiros pudessem ter um veículo zero-quilômetro moderno em suas garagens.

Em 1994, o Mille ELX se tornou o primeiro carro popular a disponibilizar ar-condicionado. No mesmo ano, e em uma época em que ninguém falava em downsizing, a Fiat surpreendeu o mercado ao lançar o Uno Turbo, que aliava performance e eficiência em um modelo que rapidamente se tornou o sonho de consumo dos brasileiros.

Inovações

As inovações não pararam aí. Em 2010, sua segunda geração, 100% desenvolvida no Brasil, desafiou o establishment com uma proposta surpreendente: arredondar o quadrado, criando uma nova leitura em torno da essência que sempre foi atrelada ao modelo, apresentando o Novo Uno.

Mais moderno do que nunca, ele foi a plataforma de sonhos e conceitos, como o Uno Ecology, com peças feitas a partir da cana de açúcar e teto com células fotovoltaicas capazes de aproveitar a luz do sol para gerar eletricidade.

Em 2013 chegava ao fim a primeira geração do modelo, marcada pela série especial Grazie Mille. Em 2015, o Uno Evolution estreou no país a tecnologia Start-Stop.

O pequeno da Fiat, responsável por estrear diversos motores marcantes na gama, incluiu em seu vasto currículo os modernos propulsores da família Firefly, nas configurações 1.0 de três cilindros e 1.3.

Comentários