Economia

Goiás tem maior queda em vendas do País

diario da manha
DIVULGAÇÃO Situação crítica no caixa: taxas acumuladas no ano e nos últimos 12 meses foram, respectivamente, de -8,9% e -7,8(Foto:ebc)

O volume de vendas do co­mércio varejista de Goiás em ou­tubro deste ano apresentou recuo de 10,5%, na comparação com outubro de 2016, trigésima quinta taxa negativa consecutiva, maior que o recuo verificado no mês an­terior (-7,1%). No mês, enquanto a variação no volume de vendas em Goiás manteve a sequência de queda, no Brasil houve um avanço de 2,5%, representando o sétimo resultado positivo do ano, na mesma base de compara­ção. Os dados foram divulgados, ontem, pela unidade estadual do IBGE ao Diário da Manhã.

Na comparação com o mês de setembro de 2017, o volume de vendas do comércio varejis­ta goiano apresentou um recuo de 2,0% em outubro de 2017, en­quanto o nacional reduziu 0,9%. No ano, o varejo em Goiás acu­mulou redução de 9,1%, já o Bra­sil avançou 1,4%. O comércio va­rejista ampliado goiano (varejo e mais as atividades de veículos, motos, partes e peças e de mate­rial de construção), também re­gistrou variação negativa para o volume de vendas sobre o mes­mo mês do ano anterior (-4,5%).

As taxas acumuladas no ano e nos últimos 12 meses foram, res­pectivamente, de -8,9% e -7,8. Os dados para as diferentes ativida­des que compõem o comércio varejista e o comércio varejista ampliado, em Goiás e no Brasil. O crescimento acumulado nos últimos 12 meses do comércio varejista goiano ficou em -8,5%, em oposição ao avanço registra­do para o conjunto das unidades da federação investigadas, que foi 0,3%. Com relação ao comér­cio varejista ampliado goiano, no acumulado dos últimos 12 me­ses (-7,8%), também observou­-se oposição à variação registra­da pelo Brasil (1,4%), na mesma base de comparação.

DIFERENTES ATIVIDADES

Das diferentes atividades que compõem o comércio varejista de Goiás, duas apresentaram va­riação positiva do volume de ven­das no mês de outubro de 2017, frente a outubro de 2016: Móveis e eletrodomésticos (17,3%) e Ar­tigos farmacêuticos, médicos, or­topédicos e de perfumaria (6,1%). A maior variação negativa foi ve­rificada no comércio varejista de Combustíveis e lubrificantes (-27,1%), seguida de Livros, jor­nais, revistas e papelaria (-24,3%).

O índice do volume de vendas do comércio varejista ampliado em Goiás (que acrescenta às ati­vidades acima, as revendas de Veí­culos, motocicletas, partes e pe­ças e de Materiais de construção) em outubro de 2017 apresentou uma queda de 4,5% na compara­ção com outubro de 2016.

A atividade de Veículos, motoci­cletas, partes e peças, que se acres­centa para compor o indicador, re­gistrou aumento de 1,5%, enquanto a de Materiais de Construção apre­sentou recuo de 4,1%. Regional­mente, para o volume de vendas do comércio varejista, 19 das 27 unidades da federação assinala­ram avanço em outubro de 2017 so­bre o mesmo mês do ano anterior. Em contrapartida, no mês, a varia­ção no volume de vendas em Goiás teve a maior queda em compara­ção com os demais Estados, e Brasil.

 

tags:

Comentários

Mais de Economia