Economia

Dia dos Pais deve gerar R$ 5,6 bilhões de faturamento em 2019

CNC projeta alta de 2,1% nas vendas para a quarta data comemorativa mais importante do varejo e geração de 11,9 mil vagas temporárias de trabalho

 Pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima alta de 2,1% nas vendas para o Dia dos Pais neste ano, já descontada a inflação. Com isso, devem ser movimentados R$ 5,6 bilhões, o correspondente a 4,5% de todo o faturamento esperado pelo setor no mês de agosto. Este será o terceiro ano consecutivo de crescimento, mas, levando-se em conta o desempenho dos últimos anos (+3,6% em 2017 e +4,1% no ano passado), o setor ainda não retomou o ritmo de antes da crise.

Para o presidente da CNC, José Roberto Tadros, mesmo que o crescimento das vendas não seja tão significativo, pois o consumo ainda esbarra na lenta tendência de queda do desemprego e ociosidade no mercado de trabalho, a data trará um alento com a perspectiva de contratação. “O varejo está apostando numa segunda metade de ano mais favorável, decorrente de medidas de estímulo à economia. Por isso, a expectativa este ano é que sejam efetivados 5% dos trabalhadores temporários, a melhor nos últimos cinco anos para a data”, afirma Tadros.

Geração de vagas de trabalho temporário

O terceiro avanço consecutivo nas vendas deverá proporcionar ao varejo aumento da quantidade de trabalhadores temporários. A estimativa da CNC é que sejam gerados 11,9 mil postos de trabalho voltados exclusivamente para a data. No ano passado, o setor demandou 9,6 mil trabalhadores temporários.

Quase metade das vagas serão dirigidas para os segmentos de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (5,1 mil postos), seguidos dos setores de vestuário e calçados (2,7 mil) e de artigos de uso pessoal e doméstico, como os eletroeletrônicos (1,9 mil). O salário médio de admissão será de R$ 1.257, 4,2% maior do que os R$ 1.206 pagos no mesmo período do ano passado.

Segmentos em destaque

A pesquisa aponta que os segmentos de hiper e supermercados serão o destaque positivo da data, com 40,4% do total de vendas, o equivalente a R$ 2,1 bilhões. Em seguida, vêm o ramo de artigos de uso pessoal e doméstico, como utilidades para o lar e eletroeletrônicos (R$ 829,1 milhões ou 15,6% do total), e o de vestuário e calçados (R$ 683,4 milhões ou 12,9% do total). 

As vendas serão estimuladas pela queda estimada dos preços de televisores (-6,9%), calçados esportivos (-3,0%) e bebidas alcoólicas (-0,8%). Na comparação com o mesmo período do ano passado, livros (+26,8%), entradas para cinema (+14,3%) e aparelhos telefônicos (+11,0%) estão mais caros.

Comentários

Mais de Economia