Economia

Com MP expectativa do Sindiposto é ter preço mais acessível ao consumidor

Presidente do Sindicato lembra que há vários fatores que vão ser analisados, mas que medida permite aumentar a concorrência no atacado

diario da manha
Foto: Reprodução

A pergunta que não quer calar, afinal com a Media Provisória (MP) anunciada pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido) que permite aos postos de gasolina comprarem Etanol diretamente das usinas, o preço do combustível vai baixar nas bombas, e por fim chegar ao consumidor final?

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Derivados do Petróleo do Estado de Goiás (Sindiposto), Márcio Andrade, informou que as principais mudanças estão justamente na questão dos postos poderem comprar diretamente das usinas ou de importadores, sem a necessidade de comprar de uma distribuidora.

Além dessa mudança que está prevista na MP, o presidente do Sindiposto destaca outra que diz respeito aos postos bandeirados que carregam o nome de uma distribuidora, ou seja, eles terão a liberdade para vender produtos de outras marcas, desde que a bomba indique de qual marca é o combustível.

O presidente do Sindiposto falou sobre a expectativa e o que o setor espera a partir da adoção dessa medida. “O que a gente espera com isso? Maior competitividade, maior oferta de produtos e uma maior opção de compras, além de acirrar a concorrência no atacado”.

Presidente do Sindiposto acredita que medida vai permitir oferecer um preço mais acessível ao consumidor

Márcio Andrade lembra que embora seja permitida a compra direta dos postos de gasolina nas usinas, isso não vai fazer com que as distribuidoras de combustíveis deixem de existir. Segundo o presidente do Sindiposto, os donos de postos vão analisar uma série fatores para definir o que é mais viável.

“Uma série de fatores podem inviabilizar determinados postos de comprarem diretamente da usina como logística e escala. É mais uma opção, e a partir de agora vai ter uma concorrência entre as distribuidoras e as usinas. E isso faz com que a expectativa do governo e a nossa, é que haja mais oportunidades de compras e condições melhores, para que possamos oferecer um preço mais acessível ao consumidor”, comenta.

Para o Sindicato mesmo sem ser implementada de forma imediata, a medida é vista de forma positiva, tanto para os postos de gasolina como para o consumidor, uma vez que haverá uma concorrência maior entre os fornecedores, com mais opções de produtos para oferecer.

Questionado sobre a questão do valor e qual a redução isso traria, Márcio Andrade foi sucinto ao alegar que é prematuro para dizer com seria essa redução no custo e se de fato ela ocorreria.

“Vai depender da regulamentação das normas que serão criadas, e do resultado dessa competição, caso ela venha realmente a existir, e se de fato for viável às usinas venderem diretamente para os postos. Pois ainda é muito prematura fazer uma previsão de quanto isso vai representar de diminuição no valor final. Eu chego a ver algumas possibilidade que talvez não haverá grandes alterações nos custos, mas essas previsões são muito prematuras. Então a gente primeiro precisa ver de forma concreta o ganho que se tem, para que o consumidor possa usufruir”, completa.

Leia também:

Comentários