Economia

Novo aumento de combustível pode quebrar alguns postos, diz presidente do Sindiposto

Valor pode subir ainda mais nos próximos dias em razão de aumento anunciado pela Petrobras.

diario da manha

A Petrobras anunciou na quinta-feira,10, o aumento da gasolina em 18% e do diesel em 25%, em Goiás, os consumidores foram pegos de surpresa. O litro da gasolina comum em Goiânia já é encontrado a R$ 7,27 e o etanol, que geralmente é mais em conta, encontrado por R$ 4,97. Valor dos combustíveis pode subir ainda mais nos próximos dias em razão de aumento anunciado pela Petrobras.

Foto: Willi Becker

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo em Goiás (Sindiposto), Márcio Andrade, comentou como fica a situação dos consumidores e donos de postos com esse aumento repentino dos combustíveis.

‘‘O consumidor mais uma vez é o mais afetado, o último da linha e o que paga a conta final, é o mais prejudicado, inclusive aquele que não tem veículo, pois todos os produtos são impactados’’, salienta Márcio Andrade. Para o presidente do Sindiposto esse aumento expressivo em um produto que já está caro, vai influenciar negativamente na economia como um todo, afetando todos os cidadãos.

‘‘Para o dono do posto é similar ao consumidor, pois é necessário colocar mais capital de giro no negócio, e se esse capital de giro não tiver uma reserva, ele vai precisar buscar em outros recursos, tornando o negócio cada vez menos rentável porque infelizmente a margem de lucro da operação do posto, ela não vem acompanhando a evolução do preço’’, salienta.

Foto: Willi Becker

O presidente do Sindiposto afirmou também que esse novo aumento pode inclusive quebrar alguns estabelecimentos, que já vem sofrendo desde 2020, com os efeitos da Covid-19.

Márcio afirmou que é possível ter melhorias melhorias: ‘‘É uma situação que não tem como fugir do preço de mercado internacional, hoje seria uma das principais economias do mundo, para os países mais desenvolvidos e até para os que estão em desenvolvimento. Foi aprovado no congresso, a desoneração dos impostos de combustíveis, isso no diesel haverá uma redução de 60 centavos. E são essas medidas necessárias para que esses produtos (combustíveis) que são tão essenciais e indispensáveis para todos tenha uma cobrança de imposto mais justa. Justiça fiscal’’, pontua.

Leia também:

Comentários