Educação

Estudantes pedem que Enem seja adiado

As entidades cientificas fizeram apelo para que a realização do Enem fosse adiada para evitar novas infecções por Covid-19 entre os seis milhões de estudantes, já que são suscetíveis de ter participado de aglomerações recentes, resultantes das festas de fim de ano

diario da manha
(Foto: Reprodução/Inep)

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está previsto para acontecer no dia 17 de janeiro. As instituições UNE, Ubes e estudantes são os maiores interessados. No entanto, o movimento pede o adiamento do Enem por conta da segurança sanitária, uma vez que o Brasil vem registrando alta nos casos de Codiv-19. Além disso, outro fator destacado é a desigualdade provocada pelo ensino à distância.

Sendo assim, as instituições assinam uma ação contra o Ministério da Educação (MEC) e o Inep para que a prova seja remarcada. Por meio de documento, a defensoria diz que “temos uma prova agendada [Enem] exatamente no pico da segunda onda de infecções, sem que haja clareza sobre as providências adotadas para evitar-se a contaminação dos participantes [da prova], estudantes e funcionários que a aplicarão”.

Além disso, no mesmo documento a defensoria reforça que não há maneira segura para a realização de um exame com quase seis milhões de estudantes. Por outro lado, o Inep divulgou uma nota sobre as medidas de segurança, dentre elas, a exigência do uso das máscaras que, se descumprido, o candidato será eliminado. No entanto, a retirada da máscara só poderá ser feita, segundo o protocolo: para alimentação, ingestão de líquidos e troca do item.

De acordo com o presidente do Inep, Alexandre Lopes, o novo adiamento foi descartado, e citou as medidas de segurança.

Medidas de segurança

  • Uso obrigatório de máscaras para candidatos e aplicadores;
  • Disponibilização de álcool em gel nos locais de prova e nas salas;
  • Recomendação de distanciamento social no deslocamento até as salas de provas;
  • Identificação de candidatos do lado de fora das salas, para evitar aglomeração. Haverá marcações no piso para ter distanciamento caso haja fila;
  • Contratação de um numero maior de salas: Na edição de 2019 foram 149 mil locais; agora serão 200 mil;
  • Salas de provas com cerca de 50% da capacidade máxima;
  • Candidatos idosos, gestantes e lactantes ficarão em salas com 25% da capacidade máxima;
  • Higienização das salas de aulas, antes e depois do exame.

Representação

A UNE e a Ubes entraram com representação no Ministério Público Federal (MPF) sobre o Enem. Segundo as instituições, havia uma expectativa sobre o protagonismo do MEC na articulação da rede pública para enfrentar os problemas da educação na pandemia.

A citação refere-se à ausência de diálogo entre as partes interessadas para definição de uma nova data para o Enem. Ou seja, foi desconsiderado totalmente o resultado da consulta pública realizada pelo próprio portal.

Comentários