Educação

Segundo a UFABC contar historinhas diminuem o estresse em crianças

Para crianças que estão passando por um processo hospitalar, ler historinhas alegres para elas, pode ajudar no tratamento

diario da manha
Foto/UFABC

Um experimento em SP analisou 81 crianças internadas na UTI e revelou que ler histórias para elas diminuem o nível de estresse. Uma coleta feita com saliva antes, durante e depois da terapia resultou na redução do hormônio cortisol – responsável pelo estresse. O resultado da leitura auxilia no tratamento e na recuperação.

O estudo foi feito por pesquisadores do Instituto D´Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) em parceria com a Universidade Federal do ABC (UFABC). As duas instituições foram responsáveis pelas amostras coletadas das crianças de 2 e 7 anos de idade, internadas em UTIs devido a problemas respiratórios como: asma, bronquite e pneumonia. Os resultados da pesquisa foram publicados na revista científica americana “Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (PNAS)”.

Além das análises, a investigação também contou com a participação de seis contadores de histórias voluntários, membros da Associação Viva e Deixe Viver, com mais de 10 anos de experiência em hospitais.

No estudo, os pesquisadores afirmam que o impacto da leitura é positivo, pois as crianças costumam criar um vínculo muito forte com histórias. O que ajuda a lidar com as situações que estão vivendo, pelo processo de comparação com o personagem. Além disso, acredita se que a alteração nos níveis dos hormônios ajudou a reduzir as emoções negativas das crianças referentes ao ambiente hospitalar e à percepção da dor também.

Para chegar aos resultados, os pesquisadores recolheram amostras de saliva e questionaram as crianças quanto à percepção da dor antes, durante e depois da terapia de ouvir histórias. Todas as histórias selecionadas eram alegres ou divertidas, e entre o intervalo de 25 a 30 minutos, um grupo ouvia histórias e outro grupo brincava com adivinhações e enigmas.

Embora os dois grupos tenham apresentado aumento nos níveis de oxitocina (hormônio associado ao bem-estar) e diminuição do cortisol (hormônio associado ao estresse), o grupo que mais teve resultados foi a de historinhas. Por isso os pesquisadores afirmam.

“Acreditamos que os pais devem ser incentivados a contar histórias a seus filhos. Contar histórias pode ser um meio eficaz de criar vínculos emocionais importantes”.

Leia também

Comentários