Educação

Escolas públicas de Goiânia e Aparecida recebem formação para valorização da cultura negra

As oficinas são destinadas a professores e alunos e o conteúdo será transformado em videobook disponibilizado para todas as unidades de ensino da rede estadual

diario da manha
Foto: Divulgação

Estudantes do Centro de Ensino de Período Integral Santa Bernadete no Setor Leste Vila Nova participaram do projeto “O Voo do Pássaro Negro”. A iniciativa aprovada pela Lei Aldir Blanc de apoio a ações artísticas e culturais na área de arte e cultura em direitos humanos vem suprir a carência das instituições de ensino de atividades que cumpram a lei federal 10.639/03.

A regra estabelece que todas as escolas públicas e particulares ofereçam conteúdo sobre história e cultura afro-brasileira.
Foram cinco horas de atividades. Mais de cinquenta alunos e cinco professores participaram de três oficinas de formação. No primeiro workshop os participantes aprenderam a confeccionar bonecas Abayomi. Essas bonecas eram feitas pelas mulheres escravizadas vinham da África para o Brasil com pedaços das próprias roupas para dar às crianças.

Abayomi na língua iorubá quer dizer encontro precioso. O coordenador do projeto, Jackson Leal, explica que para os professores esta experiência incentiva a elaboração de material pedagógico que valorize elementos de origem afro-brasileira. “Para os alunos, as bonecas são um aprendizado sobre resistência e a necessidade de uma agenda antirracista”. Afirmou Leal.

Na oficina “Evocando uma Ancestralidade Negra” professores e alunos aprenderam movimentos comuns nas danças afro-brasileiras para trazer consciência corporal e afirmação de identidade étnico racial. Por fim, “Experenciando a Estética Negra” proporcionou aos participantes conhecimento sobre a aplicação de maquiagem e figurino de pessoas negras para o teatro e produções audiovisuais.

O conteúdo das oficinas, ofertadas em cinco escolas de Goiânia e Aparecida, será transformado em um videobook que vai ser entregue à Secretaria de Educação do Estado de Goiás para ser usado em todas as unidades de ensino fundamental e médio para cumprir a determinação da Lei 10.639/93 e possibilitar a inserção de crianças e adolescentes na luta antirracista.

Leia também:

Comentários