diario da manha

Os re­cur­sos hí­dri­cos não de­vem ser pes­qui­sa­dos, ou­tor­ga­dos e le­gis­la­dos fa­zen­do a dis­so­ci­a­ção das águas su­per­fi­ci­ais com as águas sub­ter­râ­ne­as, e nem dis­so­ci­an­do a qua­li­da­de da quan­ti­da­de. Na mai­o­ria dos es­ta­dos a ou­tor­ga pe­lo o uso da água é con­ce­di­da fa­zen­do es­ta dis­so­ci­a­ção.

Em Go­i­ás, ain­da não se dá a ou­tor­ga pa­ra lan­ça­men­to de eflu­en­tes ou es­go­tos de ma­nei­ra a ob­ser­var a quan­ti­da­de ou­tor­ga­da, e tam­bém não le­va em con­si­de­ra­ção a ou­tor­ga de água su­per­fi­ci­al re­la­ci­o­na­da com a água sub­ter­râ­nea e vi­ce-ver­sa. Es­tes fa­to­res con­tri­bu­em pa­ra a di­mi­nu­i­ção da va­zão mí­ni­ma e au­men­to do mau chei­ro nos cur­sos de água, co­mo acon­te­ce atu­al­men­te no Rio Meia Pon­te e seus aflu­en­tes ur­ba­nos. Sen­do que o Cór­re­go Cas­ca­vel é um exem­plo.

Há mais uma dé­ca­da que o Cór­re­go Cas­ca­vel quan­do atra­ves­sa a Ave­ni­da Cas­te­lo Bran­co pro­duz um mau chei­ro in­su­por­tá­vel 24 ho­ras em to­dos os di­as do ano, cau­san­do náu­se­as, vô­mi­tos e dor de ca­be­ça nos mo­ra­do­res e tra­ba­lha­do­res na re­gi­ão. E na­da tem si­do fei­to pa­ra sa­nar de­fi­ni­ti­va­men­te com es­se in­cô­mo­do, em­bo­ra o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e a De­le­ga­cia do Meio Am­bi­en­te te­nham fei­to al­gu­mas in­ter­ven­ções, den­tro de su­as atri­bu­i­ções e com­pe­tên­cias.

Di­ag­nós­ti­co da Ba­cia do Rio Pa­ra­naí­ba ela­bo­ra­do em 1982 pe­lo Dnaee – De­par­ta­men­to Na­ci­o­nal de Águas e Ener­gia Elé­tri­ca, CPRM – Com­pa­nhia de Pes­qui­sa de Re­cur­sos Mi­ne­ra­is e Cnec – Con­só­cio Na­ci­o­nal de En­ge­nhei­ros Con­sul­to­res in­di­ca­va: que à al­tu­ra de Go­i­â­nia as con­di­ções de qua­li­da­de do Rio Meia Pon­te tor­na­va-se crí­ti­ca; e que a de­man­da do­més­ti­ca e in­dus­tri­al de Go­i­â­nia pre­vis­ta pa­ra 1990 se­ria igual à va­zão mí­ni­ma que per­ma­ne­cia du­ran­te se­te di­as; e que pra­ti­ca­men­te lo­go a ju­san­te, ou se­ja, abai­xo de Go­i­â­nia a va­zão do rio na épo­ca de es­ti­a­gem se­ria 90% es­go­to.

Já se pas­sa­ram 36 anos e a qua­li­da­de da água do Meia Pon­te pi­o­rou. Po­den­do con­si­de­rar que no pe­rí­o­do de es­ti­a­gem é to­tal­men­te es­go­to, quan­do pas­sa por Go­i­â­nia.

Por du­as ve­zes Rio Meia Pon­te foi con­si­de­ra­do pe­la ANA – Agên­cia Na­ci­o­nal de Águas o sé­ti­mo rio mais po­luí­do no Bra­sil, com­pa­ra­do com Rio Ti­e­tê em São Pau­lo. Es­sa tris­te no­tí­cia pa­re­ce que não aba­lou a quem se diz pre­o­cu­pa­do com a re­cu­pe­ra­ção dos re­cur­sos na­tu­ra­is, e em es­pe­ci­al com a ba­cia do Meia Pon­te. É de res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do e dos mu­ni­cí­pios jun­to com a so­ci­e­da­de da ba­cia re­ver­ter es­sa si­tu­a­ção.

A de­gra­da­ção des­se im­por­tan­te rio pa­ra o Es­ta­do de Go­i­ás e pa­ra a ba­cia do Pa­ra­naí­ba es­tá ge­ran­do um sen­ti­men­to de re­pul­sa em to­dos go­i­a­nos.

Go­i­â­nia que já foi con­si­de­ra­da a Ca­pi­tal das Flo­res não me­re­ce es­se mau chei­ro, mas sim, me­re­ce exa­lar o per­fu­me das flo­res e da rel­va do cer­ra­do.

 

(Mar­cos An­tô­nio Cor­ren­ti­no da Cu­nha, en­ge­nhei­ro ele­tri­cis­ta es­pe­cia­lis­ta em Hi­dro­lo­gia e Re­cur­sos Hí­dri­cos)

tags:

Comentários