Entretenimento

Músicos goianos lançam vídeo em tributo ao Black Sabbath no Dia Mundial do Rock

Tributo à banda que imortalizou o heavy metal tem André Adonis na produção e vocal e Lucas Cézilio nas guitarras

diario da manha
André Adonis e Lucas Cezíllio fazem Medley do disco homônimo do Black Sabbath no Dia Mundial do Rock

Em homenagem ao 50º aniversário do Black Sabbath, os músicos goianos André Adonis e Lucas Cezílio lançaram hoje (13), no Dia Mundial do Rock, um cover de um apanhado de músicas do álbum de estreia da banda inglesa, lançado em 1970.

“Unindo o inútil ao desagradável para pessoas sem espírito – o ano de lançamento do disco pioneiro mais importante da história do heavy metal e o dia mundial do Rock – resolvi criar um Medley que revisita o álbum de estreia do Black Sabbath. Cometendo o crime de resumi-lo em mais ou menos 7 minutos.”, explica Adonis, responsável pelos vocais e produção do trabalho, disponível no YouTube.

Para o cantor, o Black Sabbath foi responsável pela criação do heavy metal, um gênero do rock , caracterizado pelo uso de guitarras altas e distorcidas, ritmos enfáticos, um som de baixo-e-bateria denso e vocais vigorosos.

“Não interessa se críticos de boutique dizem que o blues eletrificado do Cream e do Zeppelin vieram antes, ou pior, se algum grupo obscuro dos confins de Londres tenha feito antes do Sabbath, em algum lampejo abrupto acidental. Até onde eu sei, copiar o Blues americano e gravá-lo com tonelada de decibels saindo dos Marshall 8×12 não é suficiente!”

Quatro jovens de Birmingham, com cabelos longos e vestidos de preto com acessórios de cruzes, algumas de ponta cabeça (símbolo do anticristo), seriam os precursores de um gênero, que, segundo Adonis, vai além da música.

“Para se criar o Heavy Metal é necessário uma estética em seu sentido mais soturno possível. Não é apenas música: é imagem. Não são apenas versos em uma canção popular: é literatura. Não é apenas popularidade: é comportamento existencial. Não houve antes do Sabbath, banda que fizesse exaustivamente o uso sistemático do Trítono (o intervalo do Diabo banido pela igreja católica e os adeptos de Gregório). Não houve antes do Sabbath, músicos que brincassem estupidamente com suas letras (obrigado Geezer Butler) mediante um mixórdio de misticismo, amor, ódio, confusões acerca de termos psicopatológicos e aparições Fáusticas.”

Clique para assistir o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=vJ8ZQ9yVyAA&feature=youtu.be

Comentários