Esportes

Mãe promove mobilização após filha ser impedida de jogar torneio de futsal

Segundo o presidente da Federação Espírito Santense de Futebol de Salão, apesar do pedido, não haverá nenhuma mudança no estatuto da competição estadual

diario da manha
Foto: Reprodução

A estudante de música Laís Matias, 31, criou um abaixo-assinado para tentar mudar o regulamento do campeonato estadual de futsal sub-9 do Espírito Santo, disputado por meninos.

Ela é mãe de Laurinha, que completou oito anos no último dia 11 e joga futsal no Cruzeiro da Ilha de Santa Maria, em Vitória, desde os quatro anos. A menina foi barrada de jogar no nível estadual.

“Ela não está sozinha. Existe interesse das meninas em jogar futebol de salão ou de campo, mas falta estímulo. Todas devem ter opção de escolha. Nenhum menino passou por isso, mas as meninas têm que aceitar e engolir seco? Com esse abaixo-assinado, quero dar voz às meninas que amam futebol”, afirma Laís.

Conforme a mãe, após a criação da petição, começou a receber mensagens de apoio de familiares de meninas que passaram pela mesma situação. No momento da publicação deste texto, havia quase 6.700 assinaturas. A meta é chegar a 7.500 apoiadores até 31 de janeiro e apresentar o documento a entidades ligadas ao esporte.

Segundo o presidente da Federação Espírito Santense de Futebol de Salão, Arnaud Cordeiro, apesar do pedido, não haverá nenhuma mudança no estatuto da competição estadual. “É algo que depende de uma decisão da Assembleia de Clubes. Não depende de nós, é de cima para baixo”, diz.

Ele diz que a alteração abriria precedente para que categorias no futuro, até de adultos, quisessem o mesmo. “Por mais que eu queira incentivá-las, não posso quebrar a regra e por causa de uma menina prejudicar 60 meninos em uma possível desclassificação para uma disputa nacional, por exemplo, porque infringimos a regra”, explica.

Em nota, a Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) disse que são de sua responsabilidade somente os campeonatos nacionais. Segundo a entidade, ficam a cargo das federações estaduais a organização e normatização dos seus campeonatos, não tendo a CBFS qualquer ingerência sobre os mesmos.

Leia também:

Comentários