Internacional

Boxeador que matou a ex-namorada grávida pode ser condenado a morte em Porto Rico

Verdejo amarrou os braços e pernas de Keishla com um bloco pesado e a jogou de uma ponte.

diario da manha

O boxeador porto-riquenho Félix “El Diamante” Verdejo está sendo investigado pelo assassinato de sua ex-namorada grávida. O corpo de Keishla Marlen Rodríguez Ortiz, de 27 anos, foi encontrado no sábado flutuando em uma lagoa da capital San Juan. Também acusado por sequestro e roubo de carros, o boxeador se rendeu às autoridades federais de seu país no último domingo.

Segundo a polícia de San Juan, uma testemunha que teria ajudado o boxeador a matar Keishla, disse que Verdejo deu um soco no rosto da vítima, aplicou uma injeção com uma substância desconhecida e amarrou seus braços e pés junto a um bloco pesado antes de jogá-la de uma ponte às 8h30 da manhã da última quinta-feira (29). De acordo com o Instituto de Ciência Forense de Porto Rico, o corpo da moça foi encontrado no sábado e identificada neste domingo por meio de exames odontológicos.

A testemunha contou que Verdejo pediu sua ajuda na última terça-feira (27), para “pôr fim” à gravidez de Rodríguez Ortiz, que, segundo a família, tinha uma relação de 11 anos com o boxeador de forma extraconjugal. O porto-riquenho é casado com Eliz Marie Santiago Sierra, que também foi questionada pelas autoridades.

Após a divulgação do assassinato, centenas de pessoas se reuniram no domingo em uma ponte que cruza a lagoa onde o corpo de Rodriguez foi encontrado para exigir justiça por ela e outras mulheres mortas.

De acordo com a “ESPN”, o lutador foi levado para a prisão federal e terá sua primeira audiência nesta segunda-feira (3). Se for considerado culpado Verdejo pode receber a pena de morte.

Verdejo representou Porto Rico na Olimpíada de Londres em 2012, mesmo ano em que se tornou boxeador profissional competindo na categoria leve. Atualmente com 27 anos, foi apontado como sucessor de Felix Trinidad e Miguel Cotto. Sua última luta foi uma derrota para o japonês Masayoshi Nakatani, em 20 de dezembro.

Comentários