Internacional

Equipes de emergência encontram 21 corpos em área de queda de avião no Nepal

O porta-voz do aeroporto de Katmandu, Tek Nath sitaula, informou que continuam as buscas pelo último desaparecido

diario da manha

Por Redação, O Estado de S. Paulo

As equipes de resgate do Nepal recuperaram nesta segunda-feira, 30, 21 corpos de vítimas de um acidente com um avião de passageiros ocorrido no domingo no Himalaia com 22 pessoas a bordo. O porta-voz do aeroporto de Katmandu, Tek Nath sitaula, informou que continuam as buscas pelo último desaparecido.

Os controladores do tráfego aéreo perderam contato com a aeronave, um Twin Otter da companhia nepalesa Tara Air, 15 minutos depois da decolagem em Pokhara, oeste do Nepal, na manhã de domingo, 29. O avião seguia para Jomsom, um destino popular de montanhismo.

Helicópteros do Exército e de empresas privadas rastrearam a zona montanhosa remota, com o apoio de equipes em terra, mas as buscas foram suspensas no domingo à noite devido às condições meteorológicas.

Os esforços de recuperação foram adiados também porque alguns corpos ficaram presos sob os destroços do avião. Os socorristas que trabalhavam com as próprias mãos tiveram dificuldade em mover os detritos de metal.

As buscas foram retomadas nesta segunda-feira e o Exército divulgou uma foto de peças do avião, incluindo uma asa com a matrícula 9N-AET, encontradas na montanha.

Em um primeiro momento, as equipes de emergência anunciaram que encontraram 16 corpos. No local do acidente trabalhavam quase 60 pessoas, incluindo militares, policiais, guias de montanha e moradores da região.

As autoridades afirmaram que o avião “sofreu um acidente” a 14 500 pés (4.420 metros) de altura, na zona de Sanosware, na localidade de Thasang, distrito de Mustang.

“Analisando as imagens que recebemos, parece que o avião não pegou fogo. Tudo está espalhado no local. O avião parece ter colidido com uma grande rocha na colina”, disse o porta-voz do aeroporto de Pokhara, Dev Raj Subedi.

Quatro indianos e dois alemães estavam a bordo. Os demais passageiros eram nepaleses, incluindo um engenheiro de computação, a mulher e as duas filhas, que haviam acabado de retornar dos Estados Unidos.

Os quatro indianos, um casal, a filha e o filho, de 15 e 22 anos, estavam de férias, segundo fontes de Nova Délhi.

Pradeep Gauchan, funcionário do governo local, afirmou que o tempo ruim dificulta a operação de resgate. “Os helicópteros estão aguardando que as nuvens desapareçam”, disse.

De acordo com o site da Rede de Segurança Aérea, o avião foi fabricado pela empresa canadense De Havilland e fez seu primeiro voo há mais de 40 anos, em 1979.

O avião, com sua asa montada no topo e trem de pouso fixo, é valorizado por sua durabilidade e capacidade de decolar e pousar em pistas curtas.

A produção dos aviões terminou originalmente na década de 80. Outra empresa canadense, Viking Air, trouxe o modelo de volta à produção em 2010.

A Tara Air é uma filial da Yeti Airlines, uma companhia aérea nacional de propriedade privada que tem voos para destinos remotos do Nepal.

A empresa teve um acidente fatal em 2016, na mesma rota, quando um avião com 23 pessoas a bordo caiu na encosta de uma montanha no distrito de Myagdi.

O setor aéreo do Nepal cresceu nos últimos anos, transportando mercadorias e pessoas entre áreas de difícil acesso, assim como alpinistas estrangeiros.

Mas o país enfrenta grandes problemas de segurança, com pilotos mal treinados e problemas de manutenção de aeronaves. A União Europeia proibiu todas as companhias aéreas nepalesas de acessar seu espaço aéreo por razões de segurança. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS).

Leia também:

Comentários