Opinião

A lei do mercado entre as pessoas

diario da manha

Daniel de Melo Costa ,Especial para Opinião Pública

Se uma cidade é composta cem por cento por ignorantes, vamos ter ignorância. A lei de mercado é a lei que define a sociedade, é aquilo que se quer, que se procura. Suponhamos que eu esteja em uma cidade em que a grande maioria das pessoas gostam de ouvir funk ou forró. Suponhamos que essa maioria gire en torno de uns 95% (noventa e cinco por cento). Então eu resolvo abrir uma boate que só toque blues. O que vai acontecer? A boate vai fechar, porque as pessoas dessa cidade não gostam de blues, preferem ir em uma boate que toque funk. Assim funciona a lei do mercado. Para a lei do mercado não importa se blues é bom ou não, o que importa é o que se procura. Aqueles que gostam de funk vão se sobressair na cidade, pois é o que o povo de lá gosta. Se uma pessoa se candidatar a prefeito da cidade e for pró funk, ela vai se eleger. Se uma pessoa abrir uma loja que venda roupas estilo funk, ela vai ganhar muito dinheiro. Por que isso acontece? Porque é isso o que as pessoas procuram! Existe algo de errado com blues? Nada, mas para as pessoas da cidade, funk é a música que comanda. Assim também acontece com as pessoas.

A sociedade tende a criar ídolos, pessoas a serem admiradas e outras a serem esquecidas. Criam uma espécie de lei de mercado entre pessoas. Fulano é simpático, ciclano é antipático. Fulano é chique, ciclano é brega. Mas isso é algo puramente subjetivo. Já disse em outras oportunidades sobre a inversão de valores da sociedade. Geralmente pessoas sem caráter, falsas, maldosas são vistas como exemplos a serem seguidos e pessoas honestas são vistas como otárias. Eis um exemplo de lei de mercado. A sociedade cria um grande palco de ilusões, pois o dinheiro, o poder e o sucesso estão necessariamente ligados a lei de mercado, ou seja ao que as pessoas procuram (seja isso bom ou não). Lei essa que só existe devido a nossa condição humana de dependermos uns dos outros para sobreviver e assim terminamos ficando a mercê da ditadura de uma maioria. Deus ensina que não devemos ter acepção de pessoas.

 

(Daniel de Melo Costa, servidor público, 35 anos)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar

26 de outubro de 2018 as 20:47

O STF legisla demais