Opinião

Capital sem trabalho não sobrevive

diario da manha

Eduardo Amorim Especial para  Opiniãopública

Capital e trabalho, a dicotomia fundamental da economia moderna, oponentes, contudo, a sua existência depende da interação. O capital propicia o trabalho, o Trabalho, por seu lado, é a base da sustentabilidade do capital. Desta interação nasce a produção que tem como alvo consumidor, o trabalho.
Como sem consumo a produção perde a sua razão de existir, e o consumidor é o trabalho, conclui-se que o trabalho tem de comprar a produção para que o capital lhe dê trabalho, constatação esta que leva ainda concluir que o trabalho produz para ele mesmo, ficando o valor acrescentado à produção para o capital, como mais valia do seu investimento.
Valendo-se da sua influência e chantagem econômica, o capital é quem dita as regras da interação.
Sujeito a elas, o trabalho vê-se confrontado com a cupidez do capital, que para aumentar os seus lucros utiliza simultaneamente dois princípios. O pagamento do salário mais baixo possível ao trabalho e a imposição do preço ao consumidor que mais lucro lhe ofereça, que tem como resultado óbvio o empobrecimento do Trabalho diretamente proporcional ao enriquecimento do capital.
A ambicionada autonomia do trabalho em relação ao capital só é possível socializando, substituindo este por organizações participadas pelo trabalho, do que resultaria a supressão do lucro do capital, mantendo-se, contudo, a causa/efeito, comprar para trabalhar. Este modelo ambicionado nos fins do século XIX, e posto em prática nos princípios do século XX, não demonstrou a eficácia desejada, tendo degenerado para numa economia de subsistência, ou na substituição do capital por uma ditadura econômica de resultados catastróficos.
Só a socialização de todas as economias poderia conseguir êxito com este sistema econômico, caso contrário o capital remanescente conseguirá desmoroná-lo pela competitividade, o que efetivamente aconteceu. O capital, apesar do fracasso socializador, temeu o fenômeno, e acedeu a algumas reivindicações do trabalho, melhorando-lhe as condições de trabalho, tendo como consequência o aumento da produção e consequente lucro, pois o trabalho passou a comprar mais. Ironicamente o capital não compreendeu o fenômeno, pagar mais para lucrar mais. Mas a insaciável e imoral cupidez do capital acaba por o levar a competir entre si, qual matilha disputando a presa.
A competição empurra o capital para outros paradigmas da economia, diferentes do mercantilismo, onde o custo em vez do lucro é quem passa a ditar as leis do mercado. Para conseguir o custo competitivo subverte as regras da interação com o trabalho, retirando-lhe o conquistado pelas suas reivindicações. O trabalho, se por um lado beneficia do resultado desta concorrência entre o capital, por outro lado vê cada vez mais reduzido o seu poder de compra. A interação começa a ficar comprometida com a dificuldade da compra. Acossado pelos seus pares, o capital cai na armadilha da automatização, rescindindo a interação, passa a desempregar para produzir mais barato.
Cego e desumano, o capital, quando se apercebe que a sua produção, fonte de riqueza, não tem comprador, porque o trabalho já não compra por não ter onde trabalhar, sucumbe no meio das suas máquinas que produzem, mas não compram. Talvez seja este o fim do atual conceito econômico do capital, se, entretanto, os paradigmas econômicos não forem alterados. O Trabalho sem trabalho, mas livre do capital, com a esperança na fraternidade, renasce deixando de o ser para dar lugar a uma interação entre homens, livres e trabalhadores. Enfim, a conclusão é óbvia: capital sem Trabalho não sobrevive.

(Eduardo Genner de Sousa Amorim, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio no Estado de Goiás – Seceg)

Comentários

Mais de Opinião

27 de outubro de 2018 as 22:23

Brasília – Prazo de validade vencido

27 de outubro de 2018 as 21:44

A estratégia de Pedro

27 de outubro de 2018 as 21:18

Bom dia, Brasil

26 de outubro de 2018 as 21:35

As propostas de Bolsonaro

26 de outubro de 2018 as 21:34

Ensaio sobre a criação do espaço

26 de outubro de 2018 as 21:33

Um amor de Goiânia

26 de outubro de 2018 as 21:32

Brasil e totalitarismo

26 de outubro de 2018 as 21:07

Esses corregedores do CNJ são uma piada

26 de outubro de 2018 as 21:00

O voo do DM

26 de outubro de 2018 as 20:57

Casos de câncer de mama sobem no País

26 de outubro de 2018 as 20:53

O Brasil pede socorro à CNBB!

26 de outubro de 2018 as 20:49

O direito de sonhar